fevereiro 18, 2009

Exposição Mundo Feminino homenageará Tomie Otake

Cláudia Basseto diz que o importante é que as obras
espelhem os sentimentos e as emoções feminina


Texto e foto - Renato Fernandes

A tradicional exposição coletiva “Mundo Feminino”, realizada em comemoração ao Dia Internacional da Mulher (8 de março), está com inscrições abertas no Museu de Arte Contemporânea (MAC) Itajahy Martins, até o dia 4 de março.

A agente cultural Cláudia Basseto explica que pode se inscrever qualquer artista da cidade, nas seguintes categorias: desenho, pintura, escultura, fotografia, tapeçaria e patchwork (painel), inspirados no universo feminino, suas nuances e peculiaridades. “O importante é que as obras tenham alguma relação com o tema, mostrando as emoções, sentimentos e a maneira de viver das mulheres”, diz Basseto.

Pelo 4º ano consecutivo, a exposição prestará homenagem a uma artista. A primeira homenageada foi Anita Mafaldi, em seguida Tarcila do Amaral, no ano seguinte Maria Bonome e, em 2008, Maria Amélia Piza. “Este ano decidimos homenagear Tomie Otake devido a sua característica de trabalhar em várias linguagens. Além disso, ela reforça a característica de um museu com arte contemporânea”, comenta.

De acordo com o regulamento, cada participante pode inscrever-se com até dois trabalhos inéditos, gratuitamente, das 9 às 18 horas, até o prazo final. É necessário apresentar os trabalhos e preencher a ficha de inscrição por completo.
O participante também pode se inscrever em mais de uma categoria, desde que preencha fichas distintas.

A vernissage da exposição coletiva acontecerá no dia 7 de março, às 10 horas, quando o espaço será aberto para visitação pública até o dia 28 do mesmo mês.

Informações e inscrições na Secretaria de Cultura, pelos telefones: (14) 3882 - 1489, 3882 - 1747 ou pelo e-mail: - macbtu@botucatu.sp.gov.br.

O MAC Itajahy Martins fica na Avenida Dom Lúcio, nº 755.
A homenageada

Tomie Otake nasceu em Quioto, no dia 21 de novembro de 1913, e é uma pintora japonesa naturalizada brasileira. Aos vinte e um anos de idade emigrou para o Brasil, iniciando sua carreira aos quarenta anos.

É uma das principais representantes do abstracionismo informal. Sua obra abrange pinturas, gravuras e esculturas, muitas delas expostas em locais públicos, principalmente na cidade de São Paulo, como pode ser visto no Auditório Ibirapuera.

Durante sua carreira realizou diversas obras públicas, como o painel no Edifício Santa Mônica, na Ladeira da Memória, em São Paulo; a escultura Estrela do Mar, na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro; a escultura em homenagem aos oitenta anos da imigração japonesa no Brasil, painéis para o Memorial da América Latina, para a estação Consolação do Metrô, em São Paulo.

Em 2000, foi lançado em São Paulo o projeto do Instituto Tomie Otake, idealizado e coordenado por Ricardo Ohtake.