abril 08, 2009

Crianças atendidas pela oncologiada Unesp/Botucatu recebem presentes para a Páscoa

Chocolates foram doados a 16 crianças atendidas pelo HC/FMB/Unesp

Chocolate e coelho são dois símbolos da Páscoa que transformam a data (uma das mais celebradas entre os cristãos) em uma das preferidas entre as crianças. E a alegria de se ganhar um presente amenizou, em parte, a dura realidade enfrentada por pacientes atendidos pelo serviço de oncologia pediátrica do Hospital das Clínicas (HC), vinculado à Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB).

A iniciativa, da escola de educação infantil “Colinho da Mamãe”, levou caixas de bombons, cartões e outros presentes a 16 crianças atendidas pelo serviço no HC. A entrega, que aconteceu na manhã do dia 8 de abril teve a presença de uma ‘coelha da Páscoa’ que alegrou os pequenos pacientes. Cada aluno da escolinha comprou os chocolates e os embrulhou. Além disso, confeccionaram cartões com mensagens referentes à data.

A entrega, que aconteceu na manhã do dia 8 de abril teve a presença de uma ‘coelha da Páscoa’ que alegrou os pequenos pacientes. Cada aluno da escolinha comprou os chocolates e os embrulhou. Além disso, confeccionaram cartões com mensagens referentes à data.

Integrante do Departamento de Enfermagem da FMB e mãe de uma aluna da escolinha, Bianca Paiva explica que a ideia surgiu durante uma reunião de pais e mestres da escola. Lá foi apresentada a proposta da doação. “Em uma das reuniões, vimos que as crianças assistidas pelo hospital enfrentam uma realidade complicada. Com esse gesto, pretendíamos explicar a todos o que é ser solidário e criar este espírito de ajuda”, ressaltou.

Luciara Ricardi, diretora do “Colinho da Mamãe, salienta que a entrega dos chocolates é apenas uma das ações sociais que as crianças desenvolvem. Além dos pacientes da oncologia pediátrica do HC, alunos de uma creche no Parque Marajoara, em Botucatu, também foram contemplados pelos presentes. De acordo com ela, a iniciativa visa despertar o sentimento de solidariedade nos futuros cidadãos. “É um resgate dos valores e o respeito pelas pessoas que pretendemos ensinar aos nossos alunos com estas ações”, declarou.

Flávio Fogueral - Jornal da FMB