abril 24, 2009

SP vai testar vacina contra gripe aviária em voluntários

Vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan pode quadruplicar eficácia da vacina experimental

O Instituto Butantan planeja iniciar os testes da vacina contra a gripe aviária em humanos já no próximo semestre. O anúncio foi feito ontem, 23, pelo governador José Serra e pelo secretário da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata, durante a abertura oficial da campanha de vacinação contra a gripe em idosos no instituto.

A vacina, produzida no local, tem apresentado bons resultados em testes em camundongos. Até o final de setembro, outros três lotes da vacina experimental serão produzidos e apenas aguardarão autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar os testes em humanos ainda neste ano. A estimativa é que sejam necessários ao menos 30 voluntários.

Um dos trunfos do Butantan na luta contra a gripe aviária é um adjuvante chamado Monofosforilipídeo A (MPLA). O composto, derivado do desenvolvimento da vacina de coqueluche, aponta uma eficiência quatro vezes maior do que os adjuvantes habitualmente utilizados.

O objetivo do instituto é desenvolver uma vacina segura, eficaz e de baixo custo que permita proteger o Brasil no caso de uma eventual pandemia. "O Butantan irá fazer testes e, se der certo, teremos uma vacina 100% nacional, assim como é a vacina da gripe. Ela é produzida aqui e enviada para todo o Brasil com a maior e mais avançada tecnologia", disse Serra.

Entre construção das instalações e equipamentos de última geração, o investimento estimado na fábrica de vacina contra a gripe é de R$ 70 milhões. A planta tem cerca de 10 mil m², e é resultado de uma parceria entre a Secretaria da Saúde e o Ministério da Saúde.

"A nossa capacidade instalada de produção é de 40 milhões de doses de vacina por ano, quando a fábrica industrial tiver todos os seus equipamentos validados. Até lá, na planta-piloto, deveremos produzir cerca de 20 mil doses", afirma o presidente do Butantan, Isaías Raw.

Da Secretaria da Saúde