abril 28, 2009

Vereador sugere a utilização de caça níqueis para projetos de inclusão digital

Foi aprovado, na última sessão da Câmara Municipal, um requerimento de autoria do vereador Lelo Pagani (PT, que solicita a Promotoria de Justiça de Botucatu, a permissão de utilizar os componentes das máquinas caça-níqueis apreendidas em operações policiais em projetos de inclusão digital em Botucatu.

Para o vereador, os componentes eletrônicos dos caça níqueis como monitores, placas de computadores, disco rígido, teclados, caixas de som e estabilizadores poderiam ser úteis para alunos de escolas públicas na aprendizagem de informática. “Nos depósitos da Guarda Civil Municipal, além das Delegacias da Polícia Civil e no estacionamento de veículos sinistrados ou apreendidos no município estão guardadas aproximadamente 400 máquinas caça-níqueis apreendidas por contravenção e essas máquinas são compostas por uma caixa de metal ou madeira com placas que são utilizadas como CPU´s de microcomputadores, discos rígidos, além de monitores, alguns bastante modernos com tecnologia de tela plana LCD. Esses componentes eletrônicos são extremamente sensíveis e muitos deles estão expostos ao tempo por falta de espaço físico para armazená-los, ocasionando destruição e perda desses equipamentos. Estas máquinas, depois de liberadas pela justiça, poderiam ser transformadas em equipamentos de informática tipo microcomputadores, e utilizados, depois de formatadas suas informações dos jogos eletrônicos dos discos rígidos e colocados sistemas operacionais básicos usados normalmente por estudantes, em escolas públicas e cursos de inclusão digital, por isso meu pedido ao promotor para que permita a utilização dos componentes dos caça níqueis para uma utilidade benéfica a população”, informa Pagani.

O requerimento do parlamentar é direcionado ao Promotor de Justiça, Dr. Eduardo Daher Zacharias.