maio 06, 2009

Euritmistas da escola Aitiara em turnê pela Alemanha

Grupo de euritmistas representará a cidade de
Botucatu no Fórum Internacional de Euritmia

Por Renato Fernandes

Um grupo de alunos da escola Aitiara embarca na sexta-feira, dia 8, para o Continente Europeu, onde participa do VI Fórum Internacional de Euritmia. O grupo fará uma mini-turnê por seis cidades alemãs, Cuxhafen, Dinslake, hagen, Erlanger, Bergen e Witten. São 12 alunos, comandados pela professora Suzana Murbach, que na turnê internacional estarão acompanhados pelo músico André Carino.

Segundo a educadora participar do festival é sinal de existência de uma escola da metodologia Waldorf, com trabalho de qualidade e maturidade nesta disciplina, classificando como uma honra o convite de participação especial no evento. Atualmente, apenas três escolas no Brasil contam com professores de Euritmia, profissionais em seu quadro: Aitiara, Rudolf Steiner (SP) e Viver de Bauru. “Para os alunos será uma grande oportunidade de conhecerem as culturas musical e poética de outros países. Conversar com alunos de nacionalidades diferentes da mesma idade escolar, já que estarão todos os participantes alojados no mesmo local e realizando todas as refeições juntos. Com isso ampliam suas vivências culturais e humanas”, disse Suzana, em recente entrevista ao Diário.

O grupo irá desenvolver um programa brasileiro, com músicas e poesias, além da realização de Workshops de Dança e uma Noite Brasileira.

Este será o segundo ano em que alunos da escola participam do evento a convite dos organizadores. Em 2008, o grupo foi agraciado com o apoio efetivo da Secretaria Municipal de Educação que cedeu ônibus para levar os estudantes ao aeroporto; dos participantes do ano passado apenas três já conhecem a Europa.

O fórum não tem caráter competitivo, mas, o público e os organizadores demonstram o seu reconhecimento pelas apresentações que mais o impressionaram. A performance da Aitiara, em 2008, foi considerada a mais empolgante pelo público e pelos organizadores.

Ao regressarem da Alemanha o grupo se prepara para apresentações no Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci, em Botucatu, com possibilidade de temporadas em cidades do Estado, entre elas: Bauru e São Paulo.

Para possibilitar a viagem, alunos e pais trabalharam intensamente com apoio financeiro da ABT (Associação Beneficente Tobias) através do pedido anual da ABRE (Associação Brasileira de Euritmistas).

A dança - A euritmia é uma nova forma de dança que vem sendo desenvolvida desde 1912 e baseia-se no conhecimento do homem e do mundo como apresentado na Ciência Espiritual de Rudolf Steiner, a Antroposofia. Seus movimentos são coreografias, solísticas ou grupais, sobre a linguagem poética, em verso ou em prosa, e sobre a música instrumental tocada ao vivo.

O nome Euritmia foi proposto por Marie Steiner para a nova dança que surgia, mas existe como palavra e como conceito desde a Época Clássica na Grécia. Em sua obra de nome "Kanon", o escultor de Argos, Polykleitos (440 A.C.), define extensamente o conceito eurythmia como o equilíbrio de forças atuantes no corpo humano; eu-rhythmós – o ritmo equilibrado, belo, harmonioso é uma categoria estética oculta das Artes Plásticas. Também o arquiteto romano Vitruv (25 A.C.) utiliza o conceito "euritmia", relacionando-o com a harmonia na arte de construir.

Na Época Clássica de Weimar (1786-1832) surge novamente o nome Eurythmie, cujo conceito é definido por Herder como a "ordem benfazeja de um centro em relação a dois extremos".

Ao retomar esse termo quando da criação da nova arte de movimento antroposófica, 2500 anos depois do eu-rythmós da Grécia, empreende-se uma ampliação do conceito Eurythmia: as forças que configuram as formas plásticas da escultura e da arquitetura são transfomadas em movimento.