julho 09, 2009

Pedro César esculpe estátua em homenagem à abolição

Por Renato Fernandes

O escultor botucatuense Pedro César, assina a escultura com mais de 2 metros de altura que mostra um negro se libertando das correntes. Obra que servirá de marco da recuperação da Praça dos Abolicionistas, que fica no Jardim Paraíso.

A estátua foi criada sem a utilização de modelos e te previsão de inauguração para o dia 22 de agosto, data em que se lembra o aniversário de morte do abolicionista Luiz Gama.

A estátua pesa mais de três toneladas e exigirá um esquema especial, com guinchos, para a retirada da peça de seu Ateliê e transporte até o seu destino final. A imagem é toda em concreto, e armação em ferro de construção. “Essa é minha obra-prima. Esculpi sem qualquer referência, todas as medidas são de memória. O resultado me deixou bastante satisfeito”, diz.

A cerimônia de inauguração contará com ampla programação, organizada pela União Cultural Negra de Botucatu.

O artista é reconhecido internacionalmente e já criou trabalhos como a estátua do Colégio Santa Marcelina, Raul Torres (Praça Comendador Emílio Peduti), Capitão José Gomes Pinheiro (Praça das Bandeiras), Busto do Dr. Montenegro (Unesp de Botucatu), entre outras.

Atualmente César está envolvido em dois importantes projetos, a finalização do Museu Itinerante do Folclore, que conta com apoio da empresa Pepsico, e a estátua de Cristiano Varella, filho do deputado Lael Varella, que morreu num acidente de carro, e que será inaugurada na entrada da Casa de Apoio ao Paciente com Câncer, que também leva o nome do filho do deputado Lael Vieira Varella. A entidade é anexa ao Hospital do Câncer de Muriaé.

O Museu do Folclore terá 125 m², e funcionará na carreta de um caminhão. “Foram aproximadamente um ano para adaptar o caminhão. As laterais da carreta abrem e forma o espaço de exposição, onde estarão dispostas 10 caixas que reproduzem o ambiente de diferentes seres do folclore”, diz.

Ao todo serão dez criaturas, cinco delas já prontas: o Chupa -Cabras, Mula Sem Cabeça, Cavalo do Neguinho do Pastoreiro e o Lobisomem. “Ao comprar o ingresso o visitante receberá um livreto com a história de cada criatura”, explica. “Posso garantir que 90% deste trabalho já está concluído e pretendo fazer a inauguração até o final do ano’, disse.

A exposição temática percorrerá festas populares, mas nada impede que a mesma seja apresentada em cidades como parte de projetos sócio educativos”, coloca o escultor.