agosto 18, 2009

1ª Expo-Extensão tem início com presença da pró-reitora de Extensão da Unesp

Teve início nesta terça-feira, 18 de agosto, a 1ª Expo-Extensão da Unesp de Botucatu. O evento, realizado na Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) – Fazenda Lageado, contou com a presença da pró-reitora de Extensão da Unesp, Maria Amélia Máximo de Araújo, além de diretores e vice-diretores das unidades locais e também vice-diretores de outros campus.

Após a cerimônia de abertura, os convidados e a comunidade em geral puderam conferir e debater sobre os 124 pôsteres com projetos de extensão da FCA, Faculdade de Medicina (FMB), Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) e Instituto de Biociências (IB). Essas atividades seguem até hoje, com programação das 7 ao meio-dia, também na FCA, quando serão premiados os melhores trabalhos. Existem, atualmente, 1.300 projetos credenciados junto à Pró-Reitoria de Extensão da Unesp.

Durante o início dos trabalhos, o professor Sérgio Swain Müller, que é diretor da FMB e presidente do Grupo Administrativo do Campus (GAC), enfatiza que a Unesp de Botucatu tem se esforçado para que as unidades se unam. “Algumas comissões das unidades, inclusive, já atuam de maneira integrada. E um evento como este (Expo-Extensão) tem o mesmo intuito. Além disso, a extensão é um instrumento poderoso para a formação profissional e de cidadania. Espero que essa realização seja a primeira de várias”, diz.

O diretor do IB, professor Renato Eugênio da Silva Diniz reforça a importância de se caminhar rumo à integração das unidades. “No campo da extensão há um leque variado de possibilidades nesse sentido” , pondera. Professor Edivaldo Domingues Velini, diretor da FCA, coloca sua expectativa de que o evento seja apenas o primeiro de muitos. “A Unesp tem uma função importante em termos de extensão, mas isso tem que acontecer de forma integrada. Nosso grande desafio é deixar de ser uma universidade com várias faculdades para ser uma unidade articulada”, frisa.

A pró-reitora de Extensão da Unesp, professora Maria Amélia, fez um apelo para que as unidades incentivem que suas publicações sejam credenciadas junto à PROEX. “Há muitos projetos interessantes que acabam se perdendo no contexto. Grandes pesquisas não precisam necessariamente de bolsas e recursos, há várias outras formas de fomento”, observa. Após valorizar a integração entre as unidades de Botucatu, que resultou no evento, mencionou alguns outros benefícios obtidos com a iniciativa: “valoriza de docentes e alunos; aprimora metodologias e agrupa os semelhantes”.

A coordenadora do Núcleo Central da Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI), professora Maria Cândida Soares Del-Masso, também fez uso da palavra para comentar sobre a atual situação do projeto, que já está presente em praticamente todos os campus da Unesp.

Leandro Rocha - Assessoria de Comunicação e Imprensa da FMB e HC/Unesp