agosto 19, 2009

HC/Unesp adota novo procedimento para correção de lesões cardíacas

A Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) realizou, dia 18 de agosto, de forma inédita em seu Hospital das Clínicas (HC), procedimento voltado à correção de lesões na válvula do coração. O processo beneficiou um paciente de 16 anos, oriundo de Laranjal Paulista, que apresentava frequente falta de ar e cansaço durante esforços pequenos e moderados.

A Valvoplastia mitral percutânea com balão é voltada desde o tratamento de estenose mitral secundária- obstrução da válvula mitral, essencial para a circulação do sangue que parte do coração para a aorta. Também pode ser usada em doenças reumáticas. O procedimento consiste na dilatação desta válvula por um balão e substitui a realização de cirurgias em casos mais simples e bem selecionados. No entanto, para a adoção deste método, os pacientes precisam apresentar anatomia favorável, que é analisada por exames como o ecocardiograma.
A Valvoplastia mitral percutânea com balão é voltada desde o tratamento de estenose mitral secundária- obstrução da válvula mitral, essencial para a circulação do sangue que parte do coração para a aorta. Também pode ser usada em doenças reumáticas

Reconhecida pelo SUS (Sistema Único de Saúde), a valvoplastia é vista como avanço no tratamento deste tipo de problema cardíaco. Uma cirurgia simples para esta correção pode levar até quatro horas e fazer com que o paciente fique uma semana internado. O procedimento dura, no máximo, duas horas e faz com que a pessoa assistida saia do hospital em até dois dias.

Segundo o médico Fábio Cardoso de Carvalho, do setor de Hemodinâmica e Angiografia do HC, os riscos de complicações também são menores. “No caso específico deste paciente atendido pelo HC, o procedimento foi menos invasivo que uma cirurgia usual neste problema. O tempo de recuperação tende a ser menor e minimiza o risco de complicações precoces e tardias”, complementa.

Flávio Fogueral - Jornal da FMB