agosto 18, 2009

Vereador pede que palmas após o Hino Nacional sejam facultativas

Foi aprovado, na última sessão da Câmara Municipal, um requerimento de autoria do vereador Lelo Pagani (PT), que solicita ao Presidente do Poder Legislativo, vereador Reinaldinho, a orientação para o público presente nas cerimônias oficiais da Câmara Municipal para que as palmas sejam facultativas após a execução do Hino Nacional.

O vereador explica seu pedido. “A Lei nº. 5.700 de 1 de setembro de 1971, que fala do respeito à Bandeira Nacional e ao Hino Nacional, no seu artigo 30 diz o seguinte: Nas cerimônias de hasteamento ou arriamento, nas ocasiões em que a Bandeira se apresentar em marcha ou cortejo, assim como durante a execução do Hino Nacional, todos devem tomar atitude de respeito, em pé e em silêncio, os civis do sexo masculino com a cabeça descoberta e os militares em continência, segundo os regulamentos das respectivas corporações e este artigo tem um parágrafo único que diz que é vedada qualquer outra forma de saudação. Várias interpretações jurídicas e protocolares a este artigo consideram que após a execução do Hino Nacional deve-se bater palmas respeitosamente, pois neste momento “posterior” já passou o momento “durante” como diz a Lei. A população gostaria de aplaudir seu Hino, como vemos e ouvimos nas várias cerimônias realizadas com este protocolo, assim, peço ao Presidente Reinaldinho que viabilize uma orientação público ao presente nas cerimônias oficiais da Câmara Municipal para que as palmas sejam facultativas após a execução do Hino Nacional”, informa Pagani.

Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Botucatu