outubro 20, 2009

Funcionários da Unesp que atuam na FMB e HC passarão por consulta de saúde ocupacional

A  partir da primeira quinzena de novembro todos os funcionários da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp e Hospital das Clínicas que são contratados pela Unesp serão convocados a passar por consultas que atestarão as condições de sua saúde ocupacional.  Foram analisados os riscos aos quais os trabalhadores estão expostos em seu ambiente de trabalho e o Grupo Técnico de Desenvolvimento em Recursos Humanos (GTDRH) enviará uma convocação com os exames pré-agendados.

A iniciativa foi apresentada aos chefes de seção da FMB e HC na segunda-feira, 19 de outubro e contou com a presença do diretor da Faculdade de Medicina, professor Sérgio Müller. Faz parte das atribuições de uma comissão formada, em 2008, a pedido da Diretoria da instituição – que segue determinação da Reitoria da Unesp - para cuidar da qualidade de vida dos servidores e melhorar sua segurança e saúde no trabalho. As ações serão desenvolvidas com apoio da equipe do Serviço de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) da Famesp.
Foram avaliados os riscos aos quais o funcionário está exposto em seu ambiente de trabalho e ele passará por exames
O objetivo é que passem pelas consultas as pessoas que estão trabalhando, portanto saudáveis, no entanto, se for identificado algum sintoma decorrente de problemas no ambiente de trabalho, o funcionário será encaminhado para tratamento. “Se encontrarmos alguma doença que não esteja ligada ao trabalho do examinado, vou sugerir que ele procure um especialista”, explica o médico do trabalho e professor do Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Medicina, Ildeberto Muniz de Almeida, também conhecido como “Dr. Pará”. Ele ficará responsável por examinar os profissionais em sala localizada na Casa do Servidor – Unesp de Rubião Júnior.

Levantamento já realizado pelo GTDRH aponta que há um grande número de trabalhadores afastados em áreas consideradas críticas, como: Centro Cirúrgico, Cozinha, Lavanderia, CDI e Enfermagem do Hospital das Clínicas. A maioria deles por conta de transtornos mentais e de comportamento, além de problemas na coluna.

Através do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) é que foram avaliados os riscos aos quais cada trabalhador está exposto em seu ambiente de trabalho. Sendo assim, quando ele passar pela consulta, os resultados dos exames já estarão com o médico. Dependendo do grau de risco de acidente com o qual ele conviver, será agendado o retorno. O servidor sai da consulta levando um Atestado de Saúde Ocupacional (ASO).

Sobre os afastamentos, professor Pará diz que deverão ser iniciadas ações específicas para identificar os motivos que têm causado as doenças e saber se o problema está no ambiente de trabalho. Posteriormente serão propostas as intervenções necessárias. “Vamos precisar bastante da colaboração dos chefes de seção, tanto para liberar os funcionários para passarem pelos exames, como procurando a comissão para tirar dúvidas, caso necessário. Estamos abertos a conversar, também, caso os funcionários não concordem com os fatores ambientais de risco encontrados”, afirma o médico do trabalho.

Em outra função – Os trabalhadores que, por algum motivo, não estejam mais atuando na função para a qual foram contratados, devem avisar a Enfermagem do Consultório dos Exames Periodicos para que a análise dos riscos de acidentes de trabalho seja feita com base na sua atual atividade. Esse é o critério fundamental para que sejam pedidos os exames. “O trabalhador pode achar que não está exposto aos riscos apontados ou que está sujeito a alguma doença de trabalho que não detectamos. Pode, ainda, solicitar a avaliação do médico para pedir algum exame extra. Qualquer dúvida neste sentido pode ser comunicada à comissão”, esclarece professor Pará.

Uma cópia da NR 32 (Norma Regulamentadora) com todas as diretrizes sobre segurança e saúde no trabalho estará disponível na Casa do Servidor, onde serão realizadas as consultas. Mais informações podem ser obtidas no GTDRH, pelo telefone (14) 3811-6235, com Walderiana ou através do e-mail gtdrh@fmb.unesp.br.

Carteirinha Iamspe - Os atendimentos aos funcionários autárquicos serão feitos pelo Iamspe, por isso é obrigatória a apresentação da carteirinha. Aqueles cujo documento não estiver atualizado e que são sócios da Associação dos Servidores da Unesp (ASU) devem procurar a entidade para fazer a regularização do documento. No entanto, os funcionários que não tiverem vínculo com a associação também poderão procurá-la para as devidas providências. Em ambos os casos não haverá custo algum.

A única exigência é que os trabalhadores não-vinculados à ASU precisam retirar, no Grupo Técnico de Desenvolvimento em Recursos Humanos, uma autorização para atualizar sua carteirinha.

Assessoria de Comunicação e Imprensa da FMB e HC/Unesp