outubro 05, 2009

PF já identificou responsáveis por vazamento de prova do Enem

Da Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) não confirma nomes, mas a investigação em curso sobre a fraude ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está em estágio avançado, devendo ser concluída nos próximos dias, e já identificou responsáveis pela violação das provas. Segundo a assessoria de imprensa da PF, a Superintendência de São Paulo vai se pronunciar oficialmente apenas ao término do procedimento.

Segundo publicou hoje (4) o jornal O Estado de S. Paulo, que na última quarta-feira (30) avisou o Ministério da Educação (MEC) que havia tido acesso ao caderno de questões, já foram indiciados pela PF o empresário e publicitário Luciano Rodrigues e o DJ Gregory Camillo de Oliveira Craid. A PF está à procura de Felipe Pradella, apontado por Gregory como responsável pela obtenção das provas e por ter repassado as mesmas a ele.

O plano do grupo seria vender as provas para a imprensa em troca de dinheiro. Caso Pradella não se apresente até amanhã (5), a PF deverá requerer formalmente à Justiça Federal sua prisão e mandados de busca.

Gregory e Rodrigues foram interrogados ontem (3) em São Paulo e liberados em seguida. Ambos teriam sido enquadrados no Artigo 325 do Código de Processo Penal, que define o crime de violação de sigilo funcional.

Em nota, a Plural Editora e Gráfica Ltda., responsável pela impressão da prova do Enem, afirmou ter recebido pedido de informações da PF sobre um dos investigados no caso do vazamento e dito à PF que tal pessoa nunca integrou o quadro de funcionários e colaboradores da empresa. A Plural ainda garantiu ter cumprido “rigorosamente” todas as medidas de segurança previstas em contrato, inclusive com adoção de precauções adicionais.

O Ministério da Educação deve anunciar na próxima terça-feira (6) a nova data para a realização do Enem.