janeiro 11, 2010

Dermatologista da FMB orienta sobre prevenção de acidentes com animais marinhos

Durante o mês de janeiro e fevereiro, a Unesp dará procedimento a sua atividade anual de orientação a banhistas que viajarem principalmente para as praias do litoral paulista. O dermatologista Vidal Haddad Jr., professor da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu, produziu - em parceria com pesquisadores da USP - um material educativo sobre acidentes marinhos com o objetivo de manter a população informada, no período de férias, quando aumenta o fluxo de pessoas nas praias.

Criado em 2005, o material, em formato folder, traz detalhes de como devemos proceder quando nos deparamos com um animal marinho; que tipo de cuidado os mergulhadores devem tomar ao entrar em contato com esses animais; e de que forma devemos estar preparados para fazer uma caminhada em costões rochosos e praias, entre outras situações.

Para os passeios em locais rochosos, o médico diz que todo cuidado é pouco. A dica é caminhar sempre com os pés protegidos por um calçado firme de solado antiderrapante (tênis ou sapatilha). Como as rochas são, geralmente, cobertas por cracas e ostras, que têm bordos muito cortantes, a presença de bactérias e fungos na superfície desses animais pode causar infecções nos ferimentos.

Também por meio do folder, é possível saber sobre medidas de prevenções e primeiros socorros: onde vivem e como são os animais marinhos; os riscos que essas espécies podem trazer; os sintomas no caso de acidente; como fazer para evitá-los; e os tipos de tratamento que podem ser feitos. Haddad – que lançou em 2008 o livro Animais aquáticos potencialmente perigosos do Brasil: guia médico e biológicoI (editora Roca) – afirma que urina, corticóide, álcool ou Coca-Cola, utilizados pela população para aliviar os sintomas, não têm comprovação científica e seus usos devem ser evitados, sob pena de agravamento do quadro da pessoa acidentada.


Verão: aumento de acidentes
Nas praias brasileiras a ocorrência de acidentes por animais aquáticos aumenta todo início de verão. Em janeiro de 2008, foram registrados mais de 900 casos de queimaduras por caravelas (espécie de água-viva) em banhistas da Praia Grande e Mongaguá, além de ocorrências nas cidades paulistas de Peruíbe, Santos, São Vicente e Guarujá.

Na ocasião, o dermatologista Vidal Haddad Jr. atendeu as vítimas dos acidentes aquáticos e tomou medidas preventivas junto à Secretaria de Saúde da Praia Grande e à equipe médica local, divulgando os folhetos explicativos à população.

 O folder poderá ser consultado pelo site http://www.dangerousaquaticanimals.com.br

Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp



Empregos Manager Online