janeiro 11, 2010

Cineclube Ybitu Katu dedica janeiro aos musicais do cinema

Por Renato Fernandes

Como acontece anualmente, o mês de janeiro tem a menor agenda cultural do ano, o Teatro Municipal  Camillo Fernandez Dinucci entra em recesso para manutenção, produtores e artistas aproveitam o período como férias.

Restam aos botucatuenses as exposições no MAC (Museu de Arte Contemporânea Itajay Martins) e ações da iniciativa privada, que também são reduzidas.

Quebrando esse marasmo cultural, o Cineclube Ybitu Katu reservou janeiro para promover um verdadeiro intensivo cinematográfico, anunciando a exibição de 12 filmes. Uma quantidade três vezes acima que a média de 4 projeções mensais.

Como já é tradição, o mês será destinado a um tema específico: “Musicais”, com sessões aos sábados, às 19h30, em seguida acontecerão sessões alternativas às 23 horas, com os “Clássicos do Terror”, e às quartas-feiras, às 19h30, serão reprisados os filmes mais votados do segundo semestre de 2009.
Para prestigiar a programação não é ncessário desembolsar nada. A produção, solicita apenas, que os interessados em ajudar o Asilo Padre Euclides, doem um quilo de alimento não perecível. As sessões são realizada no CCB (Centro Cultural de Botucatu).

Confira a programação completa do cineclube:

Musicais:

Sábados às 19:30
09/01: O Picolino (Mark Sandrich, 1935)
Em Londres, Jerry Travers , um dançarino americano, está ensaiando um número de sapateado em seu quarto de hotel, pois foi contratado por Horace Hardwick, um empresário, para fazer um show. Entretanto, ele acaba incomodando a bela Dale Tremont, a vizinha do quarto embaixo. Logo ambos começam a apaixonar-se. Duração: 99 minutos.

16/01: Cantando na chuva (Gene Kelly & Stanley Donen, 1952)Don Lockwood e Lina Lamont são dois astros do cinema mudo que, com a chegada do som, devem fazer a transição também em suas carreiras. Enquanto Don se sai muito bem, Lina se aproveita o quanto pode de Kathy Selden, uma jovem que sonha em ser atriz, mas tem que trabalhar como escrava dublando a péssima voz de Lina. Quando Don se apaixona por Kathy, decide fazer de tudo, para que o talento da amada seja finalmente reconhecido. Duração: 118 minutos

23/01: Ópera do Malandro (Ruy Guerra, 1985)
Nos Anos 40 malandro elegante e popular figura do boêmio bairro carioca da Lapa explora cantora de cabaré e vive de pequenos trambiques. Até que suerge Ludmila, a filha do dono do cabaré, que pretende tirar proveito da guerra, fazendo contrabando. Duração: 100 minutos.

30/01: All That Jazz - O Show Deve Continuar (Bob Fosse, 1979)
Joe Gideon é um diretor de cinema e coreógrafo mulherengo, que trabalha, simultaneamente, na edição de seu filme e nos ensaios de um musical. Nisto, ele sofre um enfarte e, com a vida por um fio, revê momentos da sua vida, transformando-os em sua imaginação em números musicais. Sua atenção é disputada por 4 mulheres: sua namorada, a ex-esposa, a filha e a Morte, representada por uma bela loira vestida de branco, que conversa com ele de forma bem instigante. Duração: 123 minutos

06/02: Hair (Milos Forman, 1979)
Capaz de transmitir toda energia, paixão e musicalidade que embalou o mundo, Hair é uma homenagem divertida e forte ao espírito turbulento dos anos 60. Um dia antes de alistar-se à Guerra do Vietnã, um jovem do interior faz amizade com um grupo de hippies urbanos que, dentre outras coisas, tentam-no convencer sobre a inutilidade da guerra e o ajudam a conquistar uma moça da classe alta, pela qual se apaixonou. Duração: 121 minutos.

Clássicos do Terror
Sábados: 23 horas
23/01: Bebê de Rosemary (Roman Polanski, 1968)
Um jovem casal se muda para um prédio habitado por estranhas pessoas. Quando ela (Mia
Farrow) engravida, passa a ter estranhas alucinações e vê seu marido (John Cassavetes)
se envolver com os vizinhos, uma seita de bruxas que quer que ela dê luz ao Filho das
Trevas. Duração: 136 minutos

30/01: O Estranho Mundo de Zé do Caixão (José Mojica Marins, 1968)
Elevado ao estado inatingível dos seres sobrenaturais, Zé do Caixão desfia sua filosofia e apresenta três contos. Em O Fabricante de Bonecas, marginais invadem a casa de um velhinho e descobrem o segredo da confecção de suas bonecas. Em Tara, um vendedor de balões fantasia uma paixão doentia por uma garota que ele segue, obsessivamente pelas ruas. Em Ideologia, o excêntrico Professor Oãxiac Odéz tenta provar a um rival que o instinto prevalece sobre a razão, usando métodos nada ortodoxos. Duração: 80 minutos.

06/02: Suspiria (Dario Argento, 1977)
Uma novata em uma elegante academia de balé percebe, aos poucos, que a escola é na verdade uma fachada para um mundo sinistro e bizarro, cujo objetivo é promover caos e destruição. Duração: 98 minutos

Reprise dos mais votados do segundo semestre de 2009
Quartas às 19:30
13/01: Deixa ela entrar (Thomas Alfredson, 2008)
Uma interessante variação sobre o mais que explorado tema do vampirismo. Aterrorizado por valentões da escola, um solitário garoto de 12 anos, Oskar, se torna amigo de uma jovem e misteriosa vizinha, cuja chegada coincide com uma série de horríveis mortes e ataques. Mesmo descobrindo que ela é uma vampira, sua amizade com a estranha se torna maior do que o medo. Vencedor de 53 prêmios, entre eles, o de Melhor Filme nos Festivais de Chicago, Edinburgh e Amsterdan. Duração: 114 minutos.

20/01: Metrópolis (Fritz Lang, 1927)
O futuro é distante e o mundo está sob o comando dos poderosos, que isolaram os mais pobres no subsolo como se fossem seus escravos, para que trabalhassem em prol dos mesmos. Comandados por Freder Fredersen (Gustav Fröhlich), os operários são obrigados a trabalhar  sem cessar para que a cidade não pare. Obra-prima de Fritz Lang, reconhecido como um dos filmes-mudos mais importantes já lançados no cinema, continuando atual ainda hoje. Duração: 123 minutos

27/01: Vidas Secas (Nelson Pereira dos Santos, 1963)
Família de retirantes, Fabiano, Sinha Vitória, o menino mais velho, o menino mais novo e a cachorra Baleia, que, pressionados pela seca, atravessam o sertão, em busca de meios de sobrevivência. Recebeu o prêmio do OCIC e prêmio dos Cinemas de Arte em Cannes em 1964. Baseado na obra de Graciliano Ramos. Duração: 103 minutos.

03/02: Casa Vazia (Kim Ki-Duk, 2004)
Um jovem vagabundo invade a casa de estranhos e mora nela, enquanto os donos estão fora. Para pagar a estada ele realiza pequenos consertos ou faz limpeza na casa. Ele costuma ficar um ou dois dias em cada lugar, trocando de casa constantemente. Até que um dia encontra uma bela mulher em uma mansão, que assim como ele também está tentando escapar da vida que leva. Duração: 95 minutos



Empregos Manager Online