fevereiro 26, 2010

Planos de saúde também irão cobrir transplante de medula óssea

Se você tem plano de saúde, fique atento às novidades. A partir de 7 de junho de 2010, os usuários deste sistema terão a lista de coberturas médicas e odontológicas ampliada. Novos 70 procedimentos serão abrangidos. A atualização foi divulgada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) no Diário Oficial da União do último dia 12 de janeiro, através da Resolução Normativa (RN) nº. 211, que garante o direito às pessoas que contrataram planos médicos ou odontológicos após janeiro de 1999 - quando passou a vigorar a Lei nº 9.656/98 que regulamenta o setor de saúde suplementar.

Entre as mudanças previstas, estão a atenção multiprofissional e tratamento especial aos obesos mórbidos, estímulo ao parto natural, direito a cirurgias de vasectomia, colocação e custos do Dispositivo Intra Uterino (DIU), mamografia digital, mamotomia, videolaparoscopia e exames de DNA para tratamento de doenças genéticas.


Também consta na lista de novos procedimentos obrigatórios o transplante alogênico de medula óssea, ou seja, de uma pessoa para outra, que é indicado principalmente para tratar o câncer nas células do sangue, a leucemia. Este procedimento custa ao governo entre R$60 mil e R$80 mil.

O Hospital Amaral Carvalho de Jaú, referência no tratamento e prevenção do câncer, é um dos hospitais mais especializados em transplante de medula óssea da América Latina. Para o diretor de Planejamento e Controle, José Antônio Barata de Almeida Bueno, a entrada em vigor da RN-211 com a inclusão de procedimento de TMO alogênico não trará nenhum tipo de custo extra para o HAC, já que o hospital realiza este tipo de procedimento há muitos anos. "O que deve ocorrer é um aumento na demanda por nossos serviços. Quanto ao aspecto financeiro certamente haverá uma melhora, embora pequena, já que estamos trabalhando no nosso limite", diz.
Beneficiários terão direito a 70 novos procedimentos
A Resolução Normativa prevê também a inclusão de alguns tipos de exames na área de genética e outros feitos por vídeo. Um deles é o PET-Scan, sofisticado exame capaz de detectar câncer pulmonar de células não-pequenas e linfomas. "Essa normativa confirma o que nós, médicos nucleares, já sabíamos. O PET-CT é imprescindível para a oncologia. Na verdade, não importa o número de equipamentos, que tenderão a crescer sim, mas a qualidade e a seriedade dos serviços de medicina nuclear, que é nossa marca registrada há 40 anos. Nosso departamento ficou extremamente feliz com essa normativa, pois provamos mais uma vez que estamos sempre um passo à frente. Investimos nesse equipamento antes mesmo de ter sido incluso no SUS ou nos convênios", diz o médico nuclear, Alexandre Brandão.

Novas regras vêm com ampliação do atendimento
Além da lista de novas coberturas, a RN nº 211 traz também uma série de mudanças, que ampliarão o atendimento ao consumidor. Uma dessas é a cobertura pelos planos coletivos aos acidentes de trabalho e aos procedimentos de saúde ocupacional.

Departamento de Comunicação - Fundação Dr. Amaral Carvalho