fevereiro 12, 2010

Portaria compromete o Carnaval de Botucatu e causa remodelação

Por Renato Fernandes

A portaria de nº 01/2010 do juiz da primeira Vara Criminal e da Infância e da Juventude de Botucatu, Dr. Josias Martins de Almeida Júnior, provocou durante o dia de ontem uma reformulação no Carnaval da Cidade. A regulamentação restringe o acesso de menores em eventos onde ocorra a venda de bebidas alcoólicas.



Na AAB (Associação Atlética Botucatuense), único clube de Botucatu que promoverá baile nas quatro noites, uma reunião aconteceu por volta das 17h30 para apontar  o futuro do evento. “Após um intenso debate decidimos dividir o clube em duas áreas, uma exclusiva para os adultos onde será proibido o acesso de menores. Aumentaremos o esquema de segurança e não deixaremos furos nesse bloqueio. Venderemos bebidas alcoólicas apenas nessa área”, disse o presidente do clube, Carlos Bonaldo.

A decisão da AAB também afetou o Carnaval na área rural da cidade, culminando com o final da parceria entre o clube e a Subsecretaria Municipal de Turismo na utilização do Clube de Campo da AAB, o ‘Rio Bonito Clube e Náutica’. “Realizar[iamos o Carnaval nesse recinto, mas como o clube não pode arcar com a responsabilidade de menores em sua área, devido à possibilidade do consumo de álcool, acabamos sem espaço. Nesse momento não sei o que será feito, à primeira vista a decisão é cancelar, mas pensaremos em alternativas amanhã (hoje)”, coloca Pirscila Ribas, subsecretária municipal de Turismo.

A programação carnavalesca no Bairro da Mina será mantida . “Trata-se de um evento que ocorre em via pública”, explica Ribas.

Outros reflexos da portaria serão sentidos pelos foliões que pretendem prestigiar o carnaval popular no Espaço Cultural Antônio Gabriel Marão. “Só permitiremos a entrada de maiores de 18 anos. Menores, só terão acesso ao recinto acompanhados dos pais”, orienta Ribas.

Os blocos carnavalescos também serão afetados. A ameaça gira em torno das alas de menores de idade, como é o caso do bloco “Mundo da Fantasia”, que desfila todos os anos com uma ala formada apenas por crianças. Para garantir à alegria dos foliões mirins a subsecretária irá contribuir. “Amanhã (hoje) solicitarei  aos blocos que providenciem o documento autorizando os menores a desfilarem em suas alas e encaminharei ao juiz. É importante que os blocos que tenham esse segmento também nos procurem durante o dia de hoje para providenciarem a documentação”, ressalta a subsecretária.

Em matéria que circulou na edição de terça-feira, 9 de fevereiro, o juiz explicou os motivos para instituir a portaria e ressaltou que a intenção é a proteção da criança e do adolescente, esclarecendo que os eventos não têm conseguido impedir a venda ou consumo de bebidas alcoólicas por crianças e adolescentes.

A autoridade cita relatórios do Conselho Tutelar de Botucatu. “Muitos menores foram encontrados embriagados e levados aos hospitais da Cidade”, coloca.

Outras preocupações são referentes aos abusos cometidos contra os jovens, citando casos de estupros contra menores embriagadas. “Nossa intenção é colaborar e fazer com que os adolescentes cresçam de forma mais saudável e não dessa forma precária”, coloca.

O juiz antecipa que será solicitada fiscalização efetiva para o cumprimento da portaria.