fevereiro 09, 2010

Residência em Medicina Veterinária de Animais Selvagens bate recorde de procura

Entre os dias 11 e 13 de janeiro, aconteceu o processo de seleção para o Programa de Residência em Medicina Veterinária de Animais Selvagens, mantido por um convênio entre Prefeitura de Sorocaba e Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp, câmpus de Botucatu.

Quarenta candidatos disputaram a única vaga do programa que, desde sua criação, há cinco anos, vem batendo seguidos recordes de procura. Este ano, o selecionado foi o médico veterinário Marcelo Pires Nogueira de Carvalho, natural de Ribeirão Preto e formado pela Unesp de Araçatuba.

A rotina dos residentes é intensa e compreende atividades realizadas tanto no Parque Zoológico Municipal Quinzinho de Barros, em Sorocaba, quanto no Centro de Medicina e Pesquisa de Animais Silvestres (Cempas) da FMVZ. “Aqui no Cempas, o residente vai participar do atendimento aos animais e também vai auxiliar nas pesquisas que desenvolvemos”, conta o professor Carlos Roberto Teixeira, do Departamento de Cirurgia e Anestesiologia Veterinária, e responsável pelo serviço de atendimento aos animais silvestres do HV. “Já no Zoológico, o residente deve colaborar em praticamente todas as etapas da rotina de atividades, incluindo a clínica, o manejo, vacinação e alimentação dos animais”.

O novo residente assumiu suas funções no Parque Zoológico Municipal Quinzinho de Barros no dia 2 de fevereiro e está animado com o Programa. “A casuística aqui é bastante intensa, mas além da clínica participo de muitas outras atividades”, explica Marcelo. “O programa é bem completo e a orientação dos profissionais que trabalham aqui é ótima”.

O Parque Zoológico Municipal Quinzinho de Barros é um dos maiores do país e recebe milhares de visitantes anualmente. Tido como referência na América Latina no que se refere a lazer, pesquisa, preservação e educação ambiental, possui a classificação A, a mais alta conferida pelo Ibama. “A parceria entre o Zoológico e a FMVZ, também reconhecida nacionalmente, me fez tentar essa residência”, afirma Marcelo. “Devido à qualidade das instituições envolvidas, minha expectativa é a melhor possível”.

O Programa tem colaborado para formar recursos humanos da melhor qualidade no que diz respeito ao tema, como salienta o professor Teixeira. “Todos os residentes que passaram pelo programa fizeram questão de permanecer atuando na área e desenvolveram trabalhos de pós-graduação na FMVZ”.

O Programa de Residência em Medicina Veterinária de Animais Selvagens tem duração de dois anos e funciona com bolsas pagas pela Prefeitura Municipal de Sorocaba.

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNESP - CÂMPUS DE BOTUCATU