fevereiro 08, 2010

Unesp terá R$ 7 milhões para melhoria do ensino de graduação

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) terá este ano R$ 7 milhões para investir em melhorias nos cursos de graduação. O valor foi definido no Programa de Melhoria do Ensino de Graduação (PMEG), criado pela Universidade em 2006  para fornecer recursos para infraestrutura, instalações e equipamentos para a área.

Até 2009, o programa recebeu um total de R$ 21 milhões. No primeiro ano de funcionamento, as aplicações atenderam a demandas gerais, como mobiliário para sala de aula. A partir de 2007, mais da metade do valor concedido foi destinado a itens estratégicos de desenvolvimento como laboratórios, clínicas e equipamentos de informática.
Programa está relacionado ao avanço em avaliações nacionais dos cursos
O PMEG é mais uma das medidas adotadas nos últimos anos pela Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) para aprimorar a qualidade dos cursos, que no ano passado se destacaram em nível nacional, em análises como a do Enade (Exame Nacional de Desempenho do Estudante) e o ranking do Guia do Estudante da Editora Abril.

Outras iniciativas são as avaliações de cursos e o aperfeiçoamento didático dos professores, a aproximação das grades curriculares de cursos semelhantes ou com mesma denominação, o incentivo ao empreendedorismo e o apoio ao ensino a distância.

Todo esse esforço está atualmente sintonizado com o Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI), que estabelece objetivos e ações da Unesp para os próximos dez anos.

Aulas melhores
A cada três anos, a Prograd submete os cursos a uma avaliação por especialistas de outras universidades, que levam em conta a infraestrutura e a qualificação e produção científica dos professores. "Este ano, esperamos por uma evolução em relação à última avaliação, por conta dos resultados do programa de melhorias, mas também queremos ver onde estão as fragilidades, para que possamos corrigi-las", afirma a pró-reitora de Graduação, Sheila Zambello de Pinho.

O Núcleo de Estudos e Práticas Pedagógicas da Unesp (Nepp) permite ao professor aperfeiçoar o seu desempenho em sala de aula. Coordenado pela professora Ana Maria Daibem, o núcleo foi criado formalmente em 2008, mas desde 2006 oferece oficinas, minicursos, mesas-redondas, seminários e simpósios. "Cerca de 80% dos coordenadores de curso participaram da nossa última oficina, em novembro de 2009", assinala Ana Maria.

Para o físico André Malvezzi, professor da Faculdade de Ciências, câmpus de Bauru, o núcleo teve a mesma função de um curso de especialização em Pedagogia. "O Nepp me proporcionou formação teórica em didática e uma visão mais global sobre educação", diz.

Professora de Medicina Veterinária na Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Luciana Ciarlini também elogia a experiência no Nepp: "Após as oficinas, percebi um incremento das aulas e maior entendimento sobre o meu papel como educadora", afirma.

Currículo
As grades curriculares serão reformuladas para oferecer ao aluno mais chances de intercâmbio dentro e fora da Unesp. Os cursos com denominação igual ou semelhante foram organizados em grupos, para definir um projeto pedagógico comum. O trabalho será feito pelos coordenadores dos cursos e por um especialista com reconhecida competência em cada área. Até o fim de 2010, os 31 grupos deverão terminar seus trabalhos.

Também foi organizado o Fórum das Licenciaturas para integrar os cursos em torno de uma agenda única, com a proposta de aumentar a participação dos professores nos 14 Núcleos de Ensino e garantir melhor inserção na rede pública. Para estimular um perfil profissional competitivo, a Prograd passou a oferecer a disciplina optativa Empreendedorismo, com apostilas preparadas pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Além disso, tem sido incentivada a participação de professores e alunos em concursos de empreendedorismo, ciência e inovação.

Ensino virtual
A Unesp é a primeira instituição pública do País a oferecer um curso superior a distância, o de Pedagogia. A partir de 1º de março, ele beneficiará professores das redes públicas e particulares do Estado que não possuem formação universitária.

A iniciativa será realizada no âmbito da Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo), programa criado em 2008 pelo governo do Estado. Desde 2009, vem sendo organizado o acervo digital com material de apoio às aulas. A Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC), câmpus de Marília, já planeja utilizar a ferramenta e oferecer um curso de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais) com aulas semipresenciais ou virtuais. O curso seria oferecido a todas as licenciaturas e a alunos de Fonoaudiologia da Universidade.

A Unesp mantém, desde 2008, o Programa de Apoio à Produção de Material Didático. O professor prepara os textos que vai utilizar em sala de aula e os submete à Prograd. Se aprovados, a Editora Unesp faz a impressão sob o selo Cultura Acadêmica e vende aos alunos a preço de custo. Em 2009, foram recebidos 13 títulos. Outra iniciativa expressiva é a promoção do Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores, que já se tornou referência nacional nesse setor.

Saiba mais sobre a Unesp
A Unesp está presente em 23 cidades do Estado de São Paulo com 32 faculdades e institutos, onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em todas as áreas do conhecimento. Fundada em 1976, a instituição oferece 168 cursos de graduação e 112 programas de pós-graduação. Tem 46,5 mil alunos (34,5 mil na graduação e 12 mil na pós), 3,3 mil professores e 6,9 mil servidores técnico-administrativos. Possui cerca de 1.900 laboratórios e um Hospital de Clínicas.

A universidade oferece cursos pré-vestibulares gratuitos em suas unidades e diversos programas de extensão de serviços à comunidade. Três escolas de ensino técnico são mantidas pela Unesp: o Colégio Técnico Industrial em Bauru, o Colégio Técnico Industrial em Guaratinguetá e o Colégio Técnico Agrícola em Jaboticabal.
Da Unesp