março 02, 2010

Iphan prorroga prazo do Arqueologia no Câmpus

O Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), órgão vinculado ao Ministério da Cultura, prorrogou em mais 24 meses a permissão para o desenvolvimento de estudos e sondagens arqueológicas na Fazenda Experimental Lageado e Edgardia, ambas pertencentes ao câmpus da UNESP, em Botucatu.

A resolução foi publicada no Diário Oficial da União do dia 1º de março.  Os estudos foram iniciados em 2007,  e em outubro de 2008 o IPHAN concedeu prazo inicial de 12 meses.

 Machadinhas que estão em exposição no Museu do Café 
Com a prorrogação, qualquer nova descoberta que venha a ocorrer nas áreas das fazendas estarão protegidas pelo órgão. A empresa responsável pelos trabalhos é a Zanettini Arqueologia, de São Paulo, parceira do projeto.

O projeto “Arqueologia no Campus” está sendo desenvolvido pela equipe responsável pelo Projeto de Revitalização de Uso da Área Histórica da Fazenda Lageado, integrada pelo servidor José Eduardo Candeias e pelo arquiteto Guilherme Michelin.

Uma equipe de arqueólogos visitou a Fazenda Lageado em agosto de 2007 em busca de sítios e ocorrências arqueológicas. No campo da arqueologia o termo “sítio” designa um local que reúne várias peças enquanto cada peça isolada é denominada de “ocorrência”. Ao todo, foram encontrados três sítios arqueológicos e nove ocorrências em áreas da Faculdade.

Com informação do site da FCA - Faculdade de Ciências Agronômicas de Botucatu / Unesp