abril 28, 2010

Miss Botucatu revela bastidores do Miss São Paulo

No sábado, 24 de abril (2010), Botucatu foi representada pela modelo Raíssa Abdelnur, no Concurso Miss São Paulo 2010, exibido pela Rede Bandeirantes de Televisão. O concurso teve a participação de 40 concorrentes e a botucatuense conseguiu se posicionar  entre as 15 mulheres mais belas do Estado.
A competição teve como vencedora a piracicabana Karla Mandro, que segundo o site “Ego” (www.ego.globo.com), entrou para o Miss São Paulo “meio por acaso”, com inscrição feita pela mãe.

O concurso que elegeu Raíssa como a modelo mais bonita de Botucatu aconteceu  no dia 2 de dezembro de 2009, no Teatro Municipal.

A miss concedeu entrevista por e-mail ao blog O Grito Notícias / Diário da Serra na segunda-feira (26), confira os principais trecho da troca de mensagens.

O Grito Notícias - Oficialmente em que posição você ficou? Acha que o resultado do concurso justo?
Raíssa Abdelnur -
Ainda não sei exatamente a colocação final, não foi divulgada. Sei que estou entre as 15 melhores colocadas. Eram 40 meninas e essa foi minha primeira vez em um concurso tão grande. Tiveram 20 meninas que não conseguiram nem a oportunidade de desfilar e mostrar o nome de suas cidades ao público, realmente não tenho do que reclamar e me sinto muito realizada pela colocação.

O Grito Notícias - O que você acredita que tenha faltado para conquistar um posicionamento melhor?
Raíssa Abdelnur - Não sabíamos quem seriam as 20 candidatas classificadas e quem chegaria para a final. Fui uma das poucas que estreava como miss em um concurso com a projeção do Miss São Paulo. Entre as meninas que ficaram entre as cinco finalistas, uma participava pelo quarto ano do Miss São Paulo, outra marcava presença pela segunda vez, uma terceira participou do Miss Beleza Negra. A primeira colocada já modelava e fazia passarela desde os 13 anos. Acredito que fiquei em uma colocação muito boa, pois muitas meninas que já estavam pelo segundo ano e que já tinham participado em outros estados não conseguiram, nem ao menos, a colocação que eu obtive. Isso de certa forma foi um estímulo muito grande para mim.

O Grito Notícias - Qual foi o maior desafio do concurso? Pretende continuar na carreira de modelo?
Raíssa Abdelnur - Para mim, o maior desafio foram as coreografias. Tivemos que ensaiar tudo e aprender. Fui a única candidata que esteve nos três primeiros ensaios gerais no Memorial da América Latina ate o final. Acho que a produção gostou de mim, foi muito cansativo, acordávamos todos os dias às 6 da manhã, e o retorno era perto da meia noite.
Foi uma semana para aprender e quando se trata de programa ao vivo, a pressão acaba sendo maior. Sinceramente, pretendo continuar a carreira. Na quinta-feira (amanhã) estarei na etapa do Miss Itália Brasil.  Espero conquistar mais experiência em passarela, para tentar novamente.


O Grito Notícias - Sabemos que os bastidores desses concursos são agitados, ocorreu algo curioso?
Raíssa Abdelnur - Sempre existem intrigas. Imagina 40 mulheres disputando um titulo de miss. Acho que não houve nada em especial tirando o fato de que já haviam dado a entender, desde o começo da semana, quem seria a vencedora. Mas,  prefiro não estender esse assunto.
O Grito Notícias - Você continuará na agência Elite? Tem pretensões de voltar para Botucatu?
Raíssa Abdelnur - Gosto muito da agência, estamos iniciando uma série de trabalhos. Tenho viajado muito e  se tudo der certo pretendo continuar trabalhando com a Elite. 

Com relação a Botucatu, amo a cidade onde nasci  morei nela até o final do ano passado, tenho muito carinho pelo município e sempre estarei vinculada a ela. Sempre que possível voltarei para visitar, a família, as amigas, mas morar mesmo por enquanto acho que não.  Corro atrás da minha carreira, dos meus estudos no Rio de Janeiro e tenho conseguido bons resultados.