abril 19, 2010

Reunião discutiu a criação de rede de fundações conveniadas à Unesp

A Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais (Fepaf) sediou, nesta sexta-feira, 16 de abril, a primeira reunião para discutir a proposta de criação de uma rede de fundações conveniadas à Unesp.
A proposta de constituição da Rede Unesp de Fundações surgiu durante o Fórum de Diretores da Unesp realizado em junho e 2009 e conta com apoio da Reitoria da Universidade.

Estiveram presentes representantes de 15 fundações que atuam em conjunto com as unidades da Unesp para troca de informações e experiências. São elas: Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação (Facte - Araraquara); Fundação de Ensino, Pesquisa e Extensão (Fepisa - Ilha Solteira); Fundação para o Desenvolvimento do Ensino, Pesquisa e Extensão (Fundepe - Marília); Fundação para o Vestibular da Universidade Estadual Paulista (Vunesp - São Paulo); Fundação de Apoio aos Hospitais Veterinários (Funvet- Botucatu); Fundação para o Desenvolvimento da UNESP
(Fundunesp-São Paulo); Fundação UNI (Botucatu); Fundação de Estudos e Pesquisas em Agronomia, Medicina Veterinária e Zootecnia (Funep -Jaboticabal); Fundação de Ciência, Tecnologia e Ensino (Fundacte -Presidente Prudente); Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FDCT - Guaratinguetá); Fundação para o Desenvolvimento das Ciências Farmacêuticas da Unesp- (Fundecif – Araraquara); Fundação do Instituto de Biociências (Fundibio - Botucatu); Fundação para o Desenvolvimento Médico Hospitalar (Famesp - Botucatu); Fundação Editora Unesp; Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão (Faerp - São José do Rio Preto)

A abertura dos trabalhos foi feita pelo professor Edivaldo Domingues Velini, diretor da Faculdade de Ciências Agronômicas e presidente do Conselho Curador da Fepaf, que abordou vários procedimentos adequados para que as fundações sejam mais reconhecidas e atuem com maior eficiência no apoio às atividades da Universidade, tais como: adequação dos estatutos; uniformização de procedimentos; assessoria jurídica; criação de uma rede de demandas e difusão de conhecimento e cultura; criação de uma rede de captação de recursos e difusão de experiências.

Na sequência, o professor Iraê Amaral Guerrini, diretor-pesidente da Fepaf falou sobre o histórico da Fundação, sua estrutura organizacional e principais projetos, incluindo cursos, eventos e publicações. As atividades do período da manhã terminaram com a palestra da representante do Sebrae/SP Evelin Cristina Astolpho sobre inovação nos pequenos negócios.

No período da tarde aconteceu uma palestra proferida pelo Dr. Francisco de Assis Alves, advogado especialista em Direito de Fundações, que tratou de estatuto, regulamentos e título de utilidade pública. Sobre a criação de uma associação que reúna as fundações de apoio e conveniadas à Unesp Dr. Francisco foi enfático: “Acho uma idéia muito boa e muito útil para a própria Unesp. As fundações representam o melhor exemplo de parceria para a Universidade pela flexibilidade, eficiência e agilidade que elas proporcionam”.

Os participantes do evento farão uma avaliação da primeira reunião que será reportada ao reitor da Unesp pelo professor Edivaldo Velini. A partir de então serão discutidas as próximas ações do grupo.

Na entrevista abaixo, o professor Edivaldo Velini fala sobre a importância do encontro e da discussão sobre o tema.

Qual o objetivo do evento?

Essa primeira reunião é para que as entidades discutam se é viável e interessante para a Universidade a criação de uma rede de fundações. Há muitas oportunidades para que as fundações atuem conjuntamente. Isso envolve assessoria jurídica, uniformização de estatutos e a padronização do relacionamento com a Universidade, além de um reconhecimento maior das atividades das fundações.


Por que é importante valorizar as fundações?

As fundações exercem uma série de atividades extremamente importantes para a Universidade. Um exemplo disso é a seleção de pessoas que vão integrar o corpo discente, feita pela Vunesp. Essa valorização é importante para que as pessoas se sintam motivadas a trabalhar nas fundações e entendam sua importância para o desenvolvimento da Universidade, além de garantir a reposição com qualidade dos quadros administrativos das fundações.

Em que sentido a adequação de estatutos poderia beneficiar a atuação das fundações?

Nós conseguimos identificar dezesseis fundações conveniadas à Unesp e quase todas elas têm objetivos e estatutos bastante discrepantes. Isso faz com que o entendimento das atividades das fundações perante Ministério Público e Tribunal de Contas seja também diferenciado. É muito importante para as fundações e para a própria Unesp, em termos de segurança, que esses estatutos e regulamentos sejam uniformizados.

Que outros aspectos seriam favorecidos com a criação de uma rede de fundações?

Um dos aspectos que considero fundamental é a extensão tecnológica. A Unesp tem competências em todas as áreas do conhecimento. É possível criar uma rede de conhecimento para a satisfação de demandas que também existem em todas as áreas do conhecimento. Outro aspecto que pode ser beneficiado pela articulação é a captação de recursos. Trabalhando em conjunto, alguns conhecimentos que determinadas fundações dominam podem ser divididos entre as demais em benefício da Universidade e da sociedade como um todo.

O que as unidades da ganham com a articulação das fundações?

Um aspecto que precisa ser discutido é que cada unidade e fundação tem um tipo de comprometimento. No nosso caso, a designação da Diretoria da Fepaf é feita pelo Conselho Curador que é designado pela Congregação da FCA. Essa é a única unidade da Unesp em que isso ocorre. É um procedimento interessante e pode ser muito oportuno para aproximar as fundações da Unesp. A maior proximidade e o maior comprometimento vão  fazer com que a própria Universidade atue melhor no sentido de alcançar seus objetivos, principalmente de extensão.

Assessoria de imprensa - Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp - câmpus de Botucatu/SP - Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais - Fepaf