maio 08, 2010

Criança de dois anos pode ter sido vítima de overdose de cocaína

Foi sepultada na manhã de hoje (08/05/2010), às 10h30, uma menina de dois anos de iniciais Agatha V.F.S., no Cemitério Jardim. A Polícia Civil de Botucatu, interior de São Paulo, investiga a possibilidade da morte ter sido provocada devido a overdose por cocaína.

Segundo informações contidas no Boletim de Ocorrência, um laudo emitido pelo Hospital das Clínicas (HC) da Unesp de Botucatu, do dia 7 de maio,  aponta como causa da morte intoxicação pela droga.

O primeiro atendimento foi prestado pelo Pronto Socorro do Hospital Sorocabana, região da Vila dos Lavradores, que constatando a gravidade do caso e encaminhou a garota ao HC.

A Polícia Militar de Botucatu foi acionada logo após a criança dar entrada para o atendimento, por volta das 17h45, de sexta-feira. A conclusão do Boletim aconteceu cinco horas mais tarde, às 22 horas.

Após a constatação do óbito, os pais da Vítima, L.L.S, 20 anos, e S.S. 18 anos, foram encaminhados ao Plantão Permanente do Bairro Alto, onde foram ouvidos e afirmaram não ter conhecimento sobre a possibilidade da filha ter ingerido qualquer tipo de substância entorpecente. Um tio da vítima também foi ouvido e confessou ser usuário de crack, entretanto afirma que não mantém drogas na residência.

Diante dos fatos, uma equipe da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise), esteve na residência realizando uma minuciosa revista, onde não encontraram nenhum tipo de droga ou utensílio usado para o consumo.


O documento policial também cita que a criança já havia sido socorrida pelo Hospital Sorocabana, vésperas antes do óbito, devido a um mau súbito, e que passaria por avaliação médica.

Outro ponto ressaltado pelo delegado  Buchignani é que a equipe especializada constatou que não existiam vestígios de que seus pais sejam usuários de qualquer espécie de entorpecente. “É uma casa bem alinhada, onde aparentemente, percebe-se que moram pessoas que não, lidam com entorpecentes”

Segundo o delegado, na quinta-feira, véspera da morte da menor, foi preso um traficante na residência vizinha à casa de A.V.F.S. “Na abordagem policial dois suspeitos fugiram e existe a possibilidade desses traficantes terem perdido ou jogado papelotes da droga pelo caminho da fuga. A criança pode ter encontrado em seu quintal e ingerido um desses papelotes por acidente. Só teremos plena certeza de tudo o que aconteceu após as investigações policiais e a divulgação do exame de necrópsia”, ressalta a autoridade policial.

O pai da menina esteve em contato com a redação do blog O Grito Notícias / Diário da Serra. Ele pediu para não ser identificado e solicita que a população tenha cautela no pré-julgamento do caso. “Não somos usuários, não temos envolvimento com o tráfico de drogas. Estranho o resultado desse exame que aponta para a morte por cocaína e ainda não entendemos o que possa ter ocorrido. Aguardamos o laudo do IML para que tudo seja devidamente esclarecido”, diz.

O rapaz ainda informa que a menina nasceu prematura e que passou mal na noite de quinta-feira, quando teve seu primeiro encaminhamento ao Hospital Sorocabana. “Os primeiros exames não apontam para qualquer tipo de droga”, ressalta o pai.

As investigações continuam e o inquérito policial será presidido pela delegada da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) Simone Alves Firmino Sampaio.