junho 16, 2010

Concerto da Orquestra Filarmônica Bachiana emocionou o público

O maestro João Carlos Martins se sentiu em casa durante o concerto da “Orquestra Bachiana Filarmônica Sesi - SP”, na noite de quarta-feira, 9, no Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci, como parte das comemorações aos 60 anos do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo). “Tenho muitas recordações boas de Botucatu, na minha adolescência toquei muitas vezes na Cidade. Sou um dos patronos dos sinos da Catedral, na ocasião fiz uma apresentação beneficente para  ajudar na aquisição dos sinos”, explica o maestro.


A apresentação teve casa lotada, parte dos ingressos foram distribuídos no dia do evento, e acabaram em menos de duas horas.

A música entrou na vida do artista cedo, dos 9 aos 14 anos já acumulava cinquenta apresentações em auditórios.

Além das lembranças de infância o músico ressaltou que sua esposa Carmen Valio (47), com quem é casado há 12 anos, é botucatuense. “Minhas ligações com a cidade ultrapassam o período de adolescência. Tenho recordações incríveis, junto de meu padrinho que era arcebispo (dom Henrique Golland Trindade), é uma honra estar aqui de volta”.

Durante a entrevista ele revelou que vem conversando com a administração pública municipal, a possibilidade de expandir um projeto de popularização da música clássica e de inclusão social através da formação musical de jovens carentes para Botucatu. “Estou em contato com o prefeito. Já temos esse projeto de inclusão em outras cidades de são Paulo, como: Votuporanga, Mogi das Cruzes, Guarulhos, Suzano, além de Espirito Santos e Minas Gerais. É um projeto forte, onde  através da música trazemos as pessoas de volta para a sociedade”, coloca.

De acordo com ele, além do caráter social o trabalho musical estreitaria os laços do artista com a Cidade. “É uma ligação com cursos de musicalização. Se acontecer aqui em Botucatu, será uma enorme satisfação”.
Durante a entrevista o maestro relembrou um momento recente e de forte emoção, a gravação do depoimento final da novela “Viver a Vida”, que foi exibida pela Rede Globo de Televisão, onde tratou de sua superação com as adversidades da vida, e situações que quase lhe tiraram do caminho musical. “Quando foi ao ar, eu estava na Noruega regendo a orquestra e assisti a gravação dois dias depois. Realmente foi extremamente emocionante, as cenas ficaram bárbaras”, comenta.