abril 27, 2011

Sol e Calor deixam a pele sensível às doenças

As idas à praia ou ao clube durante o verão, fazem com as pessoas fiquem com a pele úmida por mais tempo, abrindo uma janela para várias doenças de pele.

“As doenças mais comuns do verão são as que ocorrem por infecção por bactérias, fungos ou vermes, todas  provocadas pelo sol e pela transpiração”, diz a professora doutora do departamento de dermatologia da Faculdade de Medicina de Botucatu, Maria Regina Cavariani Silvares.

A doença mais comum neste período é a micose de praia (ou pano branco), ganha esse nome por se tornar mais evidente nos períodos de calor e sol, quando as pessoas procuram ficar mais bronzeadas.


A doença caracteriza-se por pequenas manchas brancas ou vermelhas, causada por fungo que habita a pele de todos. Entretanto, consegue se desenvolver em pessoas mais sensíveis.

Outra doença de pele que pode ser contraída nas praias é a larva Migrans, também conhecida como bicho geográfico, que é transmitida por larvas de parasitas presentes em fezes de cães e gatos. O parasita entra pela pele e causa inflamação.



Acnes - Com o calor aumenta a oleosidade na pele provocando acne (espinhas). “Isso ocorre devido ao aumento da produção sebácea e a infecção das glândulas por bactéria.  O sol do verão pode, inicialmente, melhorar a acne, porém em alguns dias a tendência é aumentar a produção sebácea”ressalta a médica Regina Cavariani.

Cuidado com as frutas - Na estação mais quente do ano também aumenta a ocorrência de herpes simples e fitofotodermatose ou seja: manchas pelo contato com frutas cítricas como o limão. “Elas ficam em áreas onde o contato ocorreu e após a exposição ao sol. Inicialmente são vermelhas e depois evoluem para acastanhadas. É necessário atenção”, informa.

Não aos remédios caseiros - Outra orientação da dermatologista Maria Regina Cavariani Silvares, é  nunca usar medicamentos ou remédios caseiros sem orientação médica. “Pode ocorrer “alergia”, irritação ou piorar da enfermidade. Procure sempre um  médico se as lesões persistirem. Nunca se exponha ao sol, sem a devida proteção, das 10 às 16 horas”, orienta.