setembro 24, 2011

Portões abertos! A hora chegou! O Rock in Rio começou!

Arrepiante, eletrizante e emocionante. Esses são os adjetivos que definem a abertura dos portões do Rock in Rio, o maior evento de música e entretenimento do mundo. Aos gritos, tal qual a comemoração de um gol, as primeiras pessoas que tiveram acesso à Cidade do Rock foram recepcionadas pessoalmente por Roberto Medina, presidente do Rock in Rio.





Emocionado como se fosse seu primeiro evento, Roberto, repetindo a tradição das edições anteriores, fez questão de receber e elogiar o público que entrava na Cidade do Rock às duas horas em ponto da sexta-feira, dia 23 de setembro de 2011.
Foto: Carla Josephyne/Estacio

“Um evento desses acontece por causa do público. A platéia é mais importante do que o artista que se apresenta. Tudo isso acontece por causa deles”, afirmou o presidente do Rock in Rio.

Tão emocionada quanto Roberto Medina estava a alagoana Roberta Maria, 28. Vencedora de uma votação promovida pela Artplan no Twitter, ela ganhou o direito de ser a primeira pessoa a entrar na Cidade do Rock.

Professora universitária e música nas horas vagas, Roberta saiu de São Miguel dos Campos, no interior do Alagoas com passagem aérea, hospedagem e ingresso vip para o primeiro dia do evento.

“Eu tenho dado tanta sorte que até a previsão do tempo mudou. Existia a previsão de chuva e está sol. Ganhei uma votação em que eu mobilizei toda minha cidade para que votassem em mim. Meus pais distribuíram panfletos pedindo o voto das pessoas e explicando como faria para votar. É emocionante”, disse Roberta que contabilizou 1035 votos dos 3126 computados.

Outro que estava visivelmente emocionado era Rubem Medina. Vice-Presidente do Rock in Rio. Ele ressaltou a dimensão do festival, o maior evento de música e entretenimento do mundo, além do retorno do Rock in Rio ao Rio de Janeiro, após edições em Madrid, na Espanha, e Lisboa, em Portugal.

“O Rock in Rio nasceu e cresceu aqui. Por mais que tenham acontecido edições fora do Rio de Janeiro, ele nunca deixou de ser Rock in Rio. Ele é a Disneylandia da música. Existe um espírito em torno da criação desse evento. É um filho. Pensamos em todos os detalhes. É feito com amor. Esperamos continuar a fazer o melhor para o público e continuar a escrever essa história linda”, concluiu o Vice-Presidente do Rock in Rio.
foto: Paulo Marrucho/R2