dezembro 08, 2011

Laos: onde a natureza e a história se encontram


A cidade de Laos fica no Vietnã. A marca registrada do povo que vive por lá, sem dúvida, é a força de vontade e resistência, afinal passar por tantas guerras e ainda se manter de pé, não é para qualquer povo. Tanta perseverança é conseguida através da fé em Buda. Os inúmeros templos, os quais nenhuma guerra conseguiu destruir, são a prova disso.


Hoje, as minorias que formam mais da metade da população do Laos convivem pacificamente. E a nação laosiana descobriu a sua vocação para o turismo. O governo tem investido maciçamente em infraestrutura e se a capital daquele país, Vientiane, não chega a ser a mais bela do mundo, encanta pela amabilidade do povo e pelo seu jeito peculiar de viver. A calma do lugar é impressionante. E, é bom preparar-se para um mergulho no tempo.

A fascinante Luang Prabang fica a 140 quilômetros da capital e á segunda maior cidade do país. Trata-se de uma verdadeira jóia declarada Patrimônio da Humanidade. Ali não existe um único sinal de trânsito e os quase vinte mil habitantes parecem estar inteiramente mergulhados no espírito budista.

A maioria dos habitantes de Luang Prabang mora em pequenas vilas, que cercam a montanha de Phou Si. No topo do monte se ergue um admirável santuário construído no Século XIV. Este é apenas um dos trinta mosteiros que sobreviveram aos longos períodos de guerras e revoluções.

A rotina nos mosteiros é a mesma há séculos. Cada manhã, enquanto os galos mal começam a cantar e as famílias acendem o fogo para preparar o desjejum, os monges saem para cumprir as tarefas do rigoroso regime monástico. Em suas vestes cor de açafrão eles deslizam pelas ruas ainda escuras. Batem de porta em porta, com tigelas na mão, esmolando um pouco da comida dos crentes.

Passear pelas ruas de Luang Prabang é ver de perto um pouco da história dos tempos coloniais, principalmente nas áreas não budistas, das etnias Hmong e Mien, onde se pode encontrar muitos traços e heranças dos antigos colonizadores, como supermercados coloridos, hotéis e restaurantes. Os mais antigos falam francês e servem um bom café, além do bife com batatas fritas.

Há ainda em Luang Prabang o Ho Kham, o Palácio Real Dourado, hoje transformado num museu e que mostra o retrato perfeito de tantos anos de convivência: arquitetura e artes francesas misturadas ao imaginário budista.
A cidade, que é uma das antigas sedes da realeza, oferece várias opções para tornar a visita tão confortável quanto recompensadora.

Um bom exemplo disso é a Vila da Princesa, originalmente residência do Príncipe Khampha. Graças aos bons ventos da abertura política, o prédio foi entregue a sua herdeira, que reformou todo o lugar.

E é aqui que o turista mais se encanta. Onze quartos foram remodelados e destinados aos visitantes, a preços mais do que acessíveis. Com o interessante pátio restaurado e um restaurante ao ar livre, o complexo conta ainda com uma vista privilegiada de Thanam Sakkaalin, a rua principal.

Outro hotel, na parte mais alta de Luang Prabang, disputa a atenção dos turistas. É resultado da união do governo local com uma rede hoteleira suíça e oferece quartos com ar condicionado, piscina, comida e vinhos franceses para aqueles que gostam do exotismo, mas não dispensam uma boa mesa, cama limpa e confortável e um chuveiro revigorante.

Sem dúvida, o Laos é um lugar de férias diferente e por isso mesmo muito desafiador. Procure o seu agente de viagens e faça o seu roteiro. Vale a pena ter contato com outra cultura.