fevereiro 20, 2013

Botucatu recebe palestras de professor budista da Alemanha


O professor budista alemão, Erik Weiss estará em Botucatu no início de março, para ministrar duas palestras na cidade.

Erik Weiss tem 57 anos, é fisioterapeuta, e tomou refugio com o Lama Ole Nydahl em 1978. Casado e pai de dois filhos, um de 20 e outro de 26 anos, o alemão fundou – junto de amigos - o Centro Budista de Schwarzenberg, na Alemanha, um dos primeiros centros de retiro do Ocidente.


As palestras de Erik Weiss – abertas a todos os interessados – serão realizadas nos dias 5 (terça-feira) e 6 (quarta-feira) de março, às 20 horas

No dia 5, com o tema “A visão, a meditação e a ação no budismo”, a palestra será realizada no Espaço Luminis, na Rua Quintino Bocaiúva, 1019 – no centro.

Já a palestra do dia 6 de março será realizada no Centro budista Caminho do Diamante de Botucatu, na Rua Pinheiro Machado, 8, no centro de Botucatu,com o tema “Como trabalhar com as emoções perturbadoras”.

Acompanhe abaixo uma entrevista com o professor budista alemão, Erik Weiss:

O que é o Budismo do Caminho do Diamante?

ERIK WEISS - O Caminho do Diamante é o nível mais alto dos ensinamentos de Buda. Ele usa métodos fortes e eficientes para transformar emoções perturbadoras e idéias erradas sobre a realidade. O objetivo é alcançar a iluminação, ou seja, chegar a conhecer totalmente a sua própria mente.

Você pode nos contar um pouco sobre a história do Budismo e como ele veio para o Ocidente?
ERIK WEISS - O Caminho do Diamante foi dado pelo 4º Buda, Shakiamuni, há cerca de 2.500 anos, na Índia. Por volta dos anos 1000 ele foi levado ao Tibet, onde foi praticado até o final da década de 50, quando os chineses ocuparam o Tibet. Depois, o principal mestre da nossa escola Karma Kagyu de budismo tibetano, como era chamado o Caminho do Diamante nesta época,  foi para o exílio na Índia. Ele era o 16º Karmapa, o primeiro lama do Tibet a reencarnar conscientemente. Ele construiu um novo mosteiro em Sikkim e começou a viajar pela Índia e Nepal. Em 1969 Ole e Hanna Nydhal viajaram para Katmandu, onde eles encontraram o 16º Karmapa e se tornaram os seus primeiros alunos ocidentais. Depois de 3 anos de intensivos estudos e práticas de meditação, Karmapa os mandou de volta para o Ocidente, para eles ensinarem meditação para as pessoas interessadas.

Como o Budismo pode ser usado o dia-a-dia?
ERIK WEISS - O budismo é útil e prático porque nós aprendemos a controlar nossas emoções e transformá-las em compaixão e sabedoria. Nós nos tornamos mais úteis para os outros, nos tornamos mais felizes e perdemos o medo da morte.

O que será passado nas palestras que serão realizadas em Botucatu?
ERIK WEISS - O primeiro tema “A visão, a meditação e a ação no Budismo”, significa que se você  quer ir para algum lugar você primeiro precisa saber para onde ir. Esta é a visão, sem a visão você não pode meditar de forma correta.  A meditação é a ferramenta para desenvolver as qualidades iluminadas da mente, como grande felicidade, sabedoria e compaixão e ausência de medo. A ação significa se tornar cada vez mais útil aos outros. Já o segundo tema “Como trabalhar com as emoções perturbadoras” significa usar a raiva, a ganância, a inveja, a  estupidez e etc., para desenvolver a mente, transformando-as em sabedoria e compaixão.
Por Géro Bonini