fevereiro 15, 2013

PS de Botucatu vira modelo para Jaú


Os bons resultados alcançados na saúde em Botucatu têm atraído cada vez mais a atenção de outras cidades do Estado de São Paulo que encontram dificuldades na gestão pública desta área. Por este motivo, uma comitiva de Jaú visitou na tarde de quarta-feira (13) o Pronto-Socorro Adulto de Botucatu “Dr. Virgínio José Lunardi”, cuja gestão é compartilhada entre Prefeitura e Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), autarquia da Secretaria de Saúde do Estado.


Na oportunidade, o secretário municipal da Saúde de Botucatu, Claudio Lucas Miranda, ao lado de Paulo Machado, coordenador médico do PS, e Amanda dos Santos Cecílio, enfermeira assistencial, recepcionaram o grupo de Jaú formado pelo secretário de Saúde Gilson Augusto Scatimburgo, representando o atual prefeito, Rafael Agostini; Luiz Alfredo Teixeira Júnior, diretor clínico da Santa Casa e chefe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência); Marcia Nassif, gerente dos serviços municipais de saúde; e Paulo Mattar, assessor do setor de pediatria da Santa Casa.

Na visita, eles puderam conhecer de perto toda a infraestrutura do Pronto-Socorro Municipal de Botucatu e os procedimentos adotados desde agosto do ano passado com objetivo de aperfeiçoar ainda mais a qualidade do serviço de urgência/emergência prestado 24 horas, em casos de menor complexidade, nas especialidades de clínica médica geral e ortopedia para pessoas acima de 15 anos.

Inaugurado em 18 de abril de 2011, o Pronto-Socorro Adulto de Botucatu chegou a atender um público superior a 7,5 mil nos primeiros meses de trabalho. Após um processo de readequação, a unidade tem registrado queda no volume de atendimentos, que em janeiro deste ano fechou em 6,3 mil pacientes, média de 200 por dia.

Mas o que mais impressionou a equipe de saúde de Jaú foi mesmo a organização do local. “É tudo muito limpo e bem dividido. Tudo é informatizado e com segurança para os pacientes e funcionários. É um modelo de PS Municipal. Com certeza impressionou”, comentou Luiz Alfredo Teixeira Júnior, diretor clínico da Santa Casa de Jaú.

“O fluxo de atendimento é perfeito, bem diferente do que encontramos lá em Jaú, que hoje tem apenas a Santa Casa para atendimento de urgência e emergência. Com certeza essa visita ao PS de Botucatu nos ajudará a reativar o Pronto-Socorro Municipal de Jaú”, conta o secretário de Saúde de Jaú, Gilson Augusto Scatimburgo.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Claudio Lucas Miranda, é um orgulho para Botucatu ter sido referenciada à Jaú pela DRS-6 (Departamento Regional de Saúde) como modelo pela gestão do PS Municipal, mas ressalta que o processo de melhorias na unidade deve ser contínuo.

“Mais da metade dos pacientes são atendidos em 50 minutos, em média. Agora são raros os casos em que a espera ultrapassa as duas horas. Mas este[redução do tempo de espera]  ainda é um desafio constante no qual devemos superar para estar cada vez mais próximos da perfeição”, afirma.

Para Miranda, outra mudança significativa dentro do contexto do serviço da rede municipal de saúde, que tem auxiliado o PS Adulto Municipal, é a abertura dos postos do Jardim Peabiru, região Leste, e da Cohab 1, região Sul, até as 21 horas. Estas unidades têm estendido o atendimento que é realizado durante o dia, com a presença de médico, enfermeiro e auxiliar de enfermagem, inclusive com a farmácia do posto aberta para a obtenção de medicamentos.

A intenção é fortalecer a cultura de que os pacientes em situações menos graves a procurarem os postos de saúde da Cidade. Aqueles que se encaixam nesta classificação de baixo risco e de forma espontânea continuam a procurar o Pronto Socorro tem a opção de serem deslocados ao posto de saúde de sua preferência, com imediato transporte feito por uma ambulância da Secretaria de Saúde.

Sobre o PS - A área física total do Pronto Socorro é de 1.588 metros quadrados e inclui seis consultórios médicos; sala para inalação; sala de gesso; duas salas para curativos; duas salas para atendimento de emergência; 12 leitos, sendo oito de observação, três de emergência e um para isolamento; sala para Raio-X; equipamento de Tele eletrocardiograma, conectado ao Instituto de Cardiologia Dante Pazanezze.

O PS foi construído em 2008, ao custo de aproximadamente R$ 1,5 milhão, mas logo no início do ano seguinte a atual Administração Municipal do prefeito João Cury Neto/Prof. Caldas identificou inúmeras irregularidades, principalmente estruturais no imóvel.

Assim foi preciso investimento de mais R$ 200 mil para adequações estruturais do prédio que incluíram substituição do telhado, de toda parte elétrica e gás, nova pintura e reforma para a inclusão de um posto de enfermagem.

O PS tem um custo mensal de aproximadamente R$ 500 mil, no qual dois terços são injetados pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), autarquia da Secretaria de Saúde do Estado, e outro um terço pela própria Prefeitura de Botucatu.

O Pronto-Socorro “Dr. Virgínio José Lunardi” possui um grupo de mais de 90 funcionários, que inclui oito médicos plantonistas, sendo um ortopedista. A unidade atende casos de média complexidade não apenas de Botucatu, mas também provenientes de 13 cidades da região: Itatinga, Bofete, Pardinho, São Manuel, Areiópolis, Torre de Pedra, Porangaba, Pratânia, Anhembi, Conchas, Laranjal Paulista e Pereiras.