março 01, 2013

NGK alerta taxistas sobre prazo para revisão de sensores,velas e cabos de ignição


Desgaste em veículos submetidos ao trânsito pesado é maior. Por essa razão, profissionais devem adiantar revisão periódica do automóvel

Um táxi pode rodar mensalmente até 5.000 quilômetros. Em muitas ocasiões, por circular em condições severas de trânsito intenso, a quilometragem marcada no hodômetro não aumenta enquanto o carro está parado, mas o desgaste das peças segue ocorrendo, deixando os taxistas mais suscetíveis a panes. Por isso, a NGK, maior fabricante e especialista em velas de ignição do mundo, alerta sobre a importância de condutores de táxis realizarem periodicamente a revisão de sensores de oxigênio (sonda lambda), velas e cabos de ignição de seus veículos.

Cada automóvel possui características diferentes que determinam a vida útil de suas peças e o proprietário deve verificar no Manual do Fabricante as especificações das montadoras, lembrando que, em caso de veículos que circulam no trânsito “pesado” das grandes cidades, o fabricante do veículo recomenda a redução pela metade, ou seja, se o Manual indica a troca das velas aos 20 mil quilômetros, os proprietários destes veículos devem realizar uma inspeção aos 10 mil quilômetros.

“A revisão preventiva é única forma que estes profissionais possuem para minimizar a possibilidade de problemas com seu principal instrumento de trabalho, evitando prejuízos posteriores. Velas, cabos e sensores desgastados podem resultar em uma série de problemas ao motorista, como perda de desempenho do veículo, falhas no motor, dificuldades de partida e ainda prejudicar outros equipamentos como bobinas, distribuidor e catalisador”, afirma Hiromori Mori, técnico da Assistência Técnica da NGK.

Além da manutenção preventiva como forma de precaução contra problemas mecânicos, o profissional do volante enfrenta periodicamente vistorias técnicas e ambientais, necessárias para manter o veículo de acordo com a legislação e apto para o trabalho.

Uma vantagem importante em remover as velas para inspeção é que através da análise visual o profissional pode obter várias informações sobre as condições internas da câmara de combustão e, ainda, evitar um elevado consumo de combustível e o aumento dos níveis de emissões de poluentes no caso de utilização do item com vida útil ultrapassada ou excessivamente desgastado.

A vela de ignição é responsável pela condução da corrente elétrica sob alta tensão para o interior da câmara de combustão, convertendo-a em faísca para inflamar a mistura ar/combustível e permitir a dissipação do calor gerado na combustão. Em plenas condições de funcionamento, a vela de ignição promove economia de combustível, melhor desempenho do motor e redução de emissões de gases poluentes no ar.

Cabo de ignição
A função do cabo de ignição é conduzir a alta tensão produzida pela bobina até as velas, sem permitir fuga de corrente. Recomenda-se que a substituição dos cabos seja realizada a cada 60 mil quilômetros ou a cada três anos. Para automóveis que utilizam GNV – Gás Natural Veicular – as revisões devem ser feitas a cada 30 mil quilômetros.

Sensor de Oxigênio
Também conhecido como sonda lambda, o sensor de oxigênio é responsável pela análise da condição da queima de combustível do carro. Tem a função de detectar os níveis de oxigênio nos gases de escape do motor, informando a qualidade da mistura de ar e combustível à unidade de controle (ECU). O sensor compara a concentração de oxigênio nos gases do motor com o ar ambiente, possibilitando o ajuste da quantidade de combustível injetado na câmara de combustão.

É importante ressaltar que veículos que circulam com velas e cabos de ignição, bem como sensores de oxigênios com problemas apresentam maior consumo de combustível, perda no desempenho do motor, falha na partida e, também, aumento na emissão de gases poluentes. A manutenção preventiva garante uma condução mais segura.

A NGK aconselha ainda destaca a necessidade de abastecer o carro em postos cujo combustível tenha garantia de qualidade. Gasolina ou álcool adulterados danificam peças e comprometem o desempenho do motor.

Para obter mais informações, consulte a Tabela de Aplicação da NGK ou entre em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor, pelo telefone 0800 197 112. Para maiores informações a NGK do Brasil disponibiliza o email: duvidas@ngkntk.com.br.