abril 23, 2013

Dança da Galera promete projetar a cidade em evento internacional


A projeção internacional que Botucatu ganhou com a participação no quadro Dança da Galera (que foi ao ar no domingo, no Programa Domingão do Faustão), deverá ser utilizada para alavancar  a cidade em eventos e atividades ligadas ao setor turístico.



A competição foi ao ar no domingo (21) quando Botucatu empatou com Coruripe, cidade alagoana, garantindo aos dois municípios o prêmio de R$ 100 mil cada uma. Valores que serão destinados à Pastoral da Criança dos municípios.

A cidade disputou com  a música “Casinha Branca”, composição de Gilson e sucesso na voz de Fábio Jr. e a alagoana com “Que nem Jiló”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira.

Segundo a assessora da Subsecretaria de Turismo, Luciana Alho, um desses momentos de projeção acontece a partir de hoje, quando Botucatu, participará da feira World Travel Marketing principal evento do setor de Viagens e Turismo da América Latina, que acontece entre os dias 23 e 25 de abril, na Transamérica Expo Center, São Paulo.

“Com essa participação, com certeza os olhares estarão voltados com mais atenção para a cidade e isso será bastante positivo para o turismo local”, diz Alho.

A assessora ressalta que não sente frustração, ou qualquer tipo de sentimento negativo com relação ao empate na competição.

“Tenho convicção de que nossa performance estava muito mais bonita, mas temos que ver que as duas acabaram ganhando e o prêmio, não foi dividido, as duas ganharam o valor de R$ 100 mil. Com certeza irão nos olhar diferente nesse e nos demais eventos de divulgação que participaremos a partir de agora”, diz.

Com relação ao público que compareceu à praça da Catedral para acompanhar o desenvolvimento do link ao vivo da rede globo, na tarde de domingo, Luciana comenta que atingiu as expectativas.

“Tínhamos mais de 10 mil pessoas na praça, essa era a nossa meta desde o início. O sentimento é de dever cumprido”, diz.

Segundo a coordenadora da pastoral da Criança de Botucatu, Maria Gesualda Creste, o prêmio será encaminhado à Coordenação Nacional, com previsão de investimentos apenas para os municípios.

“Temos muitos projetos em andamento e todos precisando de recursos, mas o momento é de reuniões com as lideranças da pastoral. Ainda não temos previsões de investimentos”, diz.

Gesualda acrescenta que o empate foi positivo, assim as duas pastorais acabam recebendo recursos importantes para seus trabalhos.

Para Francisco Marins houve omissões

O escritor, presidente emérito da Academia Paulista de Letras e patrono da Academia Botucatuense de Letras, Francisco Marins, o programa cometeu uma série de omissões.
Confira abaixo as declarações do escritor com relação ao quadro.

“É bem conhecido o ditado que o importante não é sempre vencer, mas disputar – entretanto, no caso do programa referido, houve omissões imperdoáveis que vale a pena salientar. Sabemos que, a despeito da Rede Globo contar, em Botucatu com excelentes profissionais, no caso referido houve editoração canhestra da matéria que não permitiu à nossa cidade exibir seus bons crachás.

A Ibytu-catu dos bons ares, das boas escolas e das industrias não mereceu referência ao seu acidente geográfico: a Serra do Gigante Deitado, que bate qualquer praia do competidor.
Omitiu-se referência à grandiosa Universidade de Botucatu, à parte industrial da Embraer de fama mundial, às Fábricas de Ônibus à Caio, à Eucatex, Duratex, Irizar.

Ninguém ficou sabendo quem foi um tal Angelino de Oliveira e nem se ouviu a “Saudades de Botucatu”, nem a Tristeza do Jeca que até foi tocada em Berlim como prefixo na Grande Guerra.

Em contraste insiste-se nessa idiotice de cidade do Saci, duende argentino de triste memória e não se lembrou do Curupira, que foi divulgado por intelectuais de nossa cidade.

Ninguem ficou sabendo sobre o café amarelo, não houve referência ao Lageado que colaborou para a melhoria da maior lavoura cafeeira do mundo. A despeito de tantos programas admiráveis que engrandecem a comunicação do Brasil, predominam novelas grotescas com os detestáveis Big Brothers e as muitas cenas de sexo e violência, em detrimento à família brasileira! É isso!”.

“É o reconhecimento de um trabalho voluntário realizado com muito amor e afinco”, diz.