abril 30, 2013

FMB completa 50 anos e reúne centenas de convidados em cerimônia


Depois de muita expectativa, ansiedade e dedicação, chegou o grande dia. Na sexta-feira, 26 de abril, a Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) completou exatos 50 anos do início de suas atividades acadêmicas.Uma cerimônia solene da Congregação da FMB foi realizada no Salão Nobre da instituição que ficou totalmente ocupado por convidados, autoridades e pela comunidade acadêmica que participou da construção dessa história de lutas e vitórias que completa meio século.


O evento contou com a participação do reitor e a vice-reitora da Unesp, professores Júlio Cezar Durigan e Marilza Vieira Cunha Rudge. Minutos antes havia sido lançado o livro que, pelas mãos de diferentes personagens que fizeram parte da história da escola, eternizará alguns fragmentos da trajetória que transformou uma pequena faculdade em uma das principais instituições de ensino, pesquisa e extensão do Brasil, reconhecida internacionalmente.

Nos momentos finais da cerimônia foi descerrada uma placa e plantada uma árvore em comemoração ao Jubileu de Ouro da escola. Representantes de vários segmentos fundamentais para o desenvolvimento da FMB foram convidados a fazer uso da palavra e falar em nome de seus pares.

Entre os discursos, foram realizadas apresentações musicais para as quais foram convidados representantes dos alunos, professores e funcionários. Além disso, logo no início da solenidade, uma novidade: o hino nacional, cantado pelos presentes, teve como acompanhamento uma sanfona. Foi convidado o músico Antônio Ferragutte que se apresentou e encantou o público.

O primeiro a discursar foi Dr. Humberto Migiolaro, aluno da 1ª Turma do Curso de Medicina da antiga Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu. Por meio de um relato detalhado sobre a chegada da primeira turma de futuros médicos prendeu a atenção de todos, ansiosos pelo desenrolar da história

.“Fazia frio naquele 17 de Abril de 1963. O vento cortante de Rubião assoprava as orelhas daquela turma de novos estudantes da nova Faculdade de Medicina. Carecas raspadas, um grupo de jovens ainda adolescentes formava uma grande roda de inseguros rapazolas na porta fechada da escola, descidos do ônibus do Dante Trevisani, pulando a alameda de lama até o portal. Forcei a maçaneta, a porta se abriu. Convidei: “Pessoal, vamos esperar no corredor, o vento está muito frio aqui fora”. Estava CONCRETAMENTE inaugurada a FCMBB”, abriu assim seus relatos em homenagem aos alunos e ex-alunos.

Apresentação musical - Em seguida, os alunos Eduardo Pontes, do 6º ano do curso de Medicina e Pamela Medeiros, do 5º ano, apresentaram a canção Hero, de Mariah Carey, em homenagem aos demais estudantes.A funcionária Zoé Bosco foi escolhida para falar em nome do corpo técnico-administrativo da instituição.

Em seu discurso, que emocionou muitos dos presentes, Zoé ressaltou que o Jubileu de Ouro da FMB não representa apenas a história da faculdade, mas também de todo o povo de Botucatu.“O empenho de todos que investiram suas vidas e seus esforços nesta construção coletiva foi capaz de superar obstáculos iniciais, foi capaz de formar gerações: professores, pesquisadores, estudantes, e nós, os técnico-administrativos”, disse ela, logo no início de sua fala.

“Ser servidor público não é um emprego, é o desafio, a missão, a nobre tarefa de cuidar e proteger o que é de todos nós”, arrematou, em outro momento. Apresentação musical - Os funcionários Leandro Pessoa, do Centro de Informática Médica (Cimed) do Hospital das Clínicas da FMB e Priscila Sauer, da Diretoria da Famesp, apresentaram a música “Meu Erro”, do compositor Herbert Vianna, em homenagem ao corpo técnico-administrativo da instituição.

Professora Carmem Maria Casquel Monti foi convidada a falar em nome do curso de Enfermagem da FMB. O professor emérito Francisco Humberto de Abreu Maffei também foi ao púlpito e sua incumbência foi discursar em nome do curso de Medicina da FMB.

Apresentação musical - Na sequência, o professor emérito Antônio Carlos Cicogna, presidente da Comissão de Arte e Cultura da FMB sentou-se ao piano para tocar a sonata Opus 27, nº 2, primeiro movimento de Beethoven, em homenagem ao corpo docente da instituição.

Talento com imagens – Enquanto a cerimônia se desenrolava, foram conhecidos os três vencedores do concurso fotográfico promovido para comemorar os 50 anos da FMB.  A apresentação ficou a cargo da bibliotecária Enilze de Souza Nogueira Volpato, que representou o professor emérito Eder Trezza – coordenador da iniciativa.A professora Amélia Kamegasawa, com a foto “Escadaria do HCFMB” conquistou o primeiro lugar e a servidora Maria Consolata Senna Branco Panhozzi, ficou com o 2º e 3º lugares, com as fotos “Perspectiva e Ascensão” e “Caminhos”, respectivamente.

Também discursaram o professor Pasqual Barretti, diretor-presidente da Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp) e professor Emílio Curcelli, superintendente do Hospital das Clínicas da FMB.

“Quando cheguei percebi que a FMB não formaria apenas médicos, mas cidadãos. Com o passar do tempo a escola não desistiu de enfrentar as adversidades que se apresentavam e, com isso, formou médicos, pesquisadores e cidadãos. Quero aproveitar a data para cumprimentar os guerreiros professores, servidores técnico-administrativos e alunos da FMB”, enfatizou o presidente da Famesp.

Representando o prefeito de Botucatu, João Cury Neto, que estava presente na cerimônia, o vice-prefeito e professor da FMB, Antônio Luiz Caldas Júnior, deixou sua mensagem aos presentes.

Por fim, foi a vez da diretora da FMB, professora Silvana Artioli Schellini, e da vice-reitora da Unesp, professora Marilza Vieira Cunha Rudge.

“Para construir uma mudança anunciada no ano de 1962 e que seria instalada em 1963 como a Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu, a FCMBB, da qual fazia parte a Faculdade de Medicina, contribuíram a vontade e o esforço dos nossos pioneiros - docentes, servidores e alunos, sempre com momentos de superação e de muita luta. Abnegados! Sonhadores! Não saberia muito bem como definir os pioneiros ou como exaltá-los. Todos que por aqui passaram são considerados como participantes de uma história de sucesso e merecem nosso respeito e nossos agradecimentos”, enfatizou professora Silvana.

 “(...) edificamos uma instituição de ponta há mais de 50 anos, com bases sólidas. Minha homenagem, meu respeito e minha admiração a todos que participaram da construção dessa instituição. Muitos ainda estão aqui conosco, mas muitos também já nos deixaram. A esses últimos nossas preces e a certeza de que em vida combateram o bom combate”, colocou a vice-reitora, Marilza Cunha Rudge, que também é professora e ex-diretora da FMB.