abril 10, 2013

Mirabelli, Ana Rosa e Frei Fidélis, Ícones da fé botucatuense desvendados em livro


O dramaturgo Robert Coelho, responsável pela Quadrilha de Teatro Notívagos Burlescos e recém-indicado à Academia Botucatuense de Letras, como membro honorário, está preparando o lançamento de um livro que sintetiza o projeto Trilogia da Fé, série de três peças com a história de três personagens significativos na tradição oral da cidade: Ana Rosa, Mirabelli e Frei Fidélis.



“A idéia de publicar as três peças em um livro foi inevitável, mas parecia muito distante. Só foi viável graças ao Programa de Incentivo a Produção Artístico Cultural (PIPA - Secretaria Municipal de Cultura). Os textos das peças nasceram de processos criativos onde o elenco tinha uma participação fundamental. Líamos todo o material relacionado e a partir dele criávamos cenas através de técnicas de improviso. Essas cenas serviam de base para o texto final“, explica Coelho.

Para se manter fiel à história contada nos palcos, o autor optou em manter o texto original, ou seja o mesmo usado na estreia dos espetáculos, sem os ajustes das apresentações posteriores. “O texto no livro é o mesmo texto da estreia das peças. Depois da estréia sempre íamos enxugando um pouco a peça e algumas cenas iam sendo cortadas. Ana Rosa, por exemplo, chegou a ter uma versão de quinze minutos”, explica.

A obra literária está em processo de finalização, o autor já recebeu o boneco da obra, ou seja, o exemplar de teste para aprovação do trabalho gráfico. “Estou definindo a data de lançamento essa semana. Deve ficar para o começo do mês que vem (maio). Ana Rosa estreou em 15 de setembro de 2006, Mirabelli em 01 de outubro de 2008 e Fidelis em 14 de outubro de 2011. Todas no Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci”, acrescenta o autor.

Com sede de “letras” e vontade de ampliar a produção literária o jovem autor revela que tem outros projetos, porém o tempo é atualmente um vilão. “Comecei um romance, porém tem uns dez anos que está parado no começo do quinto capítulo. Para falar a verdade acredito que os meus melhores textos ainda não foram escritos. Até gostaria de escrever mais do que venho escrevendo, mas na correria com os Notívagos Burlescos não sobra muito tempo. Dos trabalhos em dramaturgia penso que seria interessante a publicação de vários textos para cenas curtas que criamos nesses dez anos de grupo. Quem sabe no próximo edital PIPA”, diz.