agosto 28, 2013

Hostilidades contra investigação de armas químicas na Síria devem ser prevenidas, diz ONU

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon (à esquerda), se reúne com o diretor-geral da Organização para Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Ahmet Üzümcü, em Haia, Holanda. Foto: OPAQ
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o diretor-geral da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Ahmet Üzümcü, pediram nesta quarta-feira (28) a todas as partes na Síria que estendam sua plena cooperação com a equipe de inspetores das Nações Unidas que investiga a possibilidade de utilização de armas químicas.


Os dois pediram que o trabalho dos inspetores seja tratado como “inviolável e que toda a cooperação deve ser estendida para a missão, o que inclui a prevenção de hostilidades por todas as partes”.

“O trabalho da equipe de investigação da ONU representa um meio imparcial e objetivo para apurar os fatos sobre as alegações do uso de armas químicas na Síria”, disseram Ban e Üzümcü por meio de um porta-voz.

Em um encontro em Haia, na Holanda, Ban e Üzümcü tiveram conhecimento do grave incidente desta segunda-feira (26), quando um comboio de investigadores da ONU foi atacado por atiradores de elite no subúrbio de Damasco, capital síria. O comboio se dirigia ao local onde, em 21 de agosto, mais de 300 pessoas morreram supostamente pelo uso de armas químicas.

Ban e Üzümcü afirmaram que tal situação não deve ser permitida novamente e a ONU está registrando uma reclamação veemente junto ao governo local e as autoridades da oposição sobre o ocorrido.

A equipe, liderada pelo cientista sueco Åke Sellström, vai permanecer por até 14 dias na Síria com possibilidade de prorrogação, investigando a alegada utilização de armas químicas por parte do governo em Khan al-Asal, na província de Aleppo, bem como outras alegações relatadas pelos Estados-Membros da ONU.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...